Mostrando postagens com marcador #Arqueologia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador #Arqueologia. Mostrar todas as postagens

Saiba quando foram Descobertas as ruínas de Machu Picchu, no Peru


No dia 24 de julho de 1911 foram descobertas as ruínas de Machu Picchu, no Peru, pelo arqueólogo inglês Hiram Bingham.

A cidade foi construída pelos incas no alto de uma montanha em meados do século XV, nas encostas orientais da parte central da Cordilheira dos Andes.

Machu Picchu é considerada uma obra-prima mundial por sua arquitetura e engenharia e virou uma das atrações turísticas mais populares do planeta.

Desde 1983, o local é considerado Patrimônio Mundial da Unesco. Em julho de 2007, Machu Picchu foi eleita uma das novas maravilhas do mundo, durante uma cerimônia em Lisboa, em Portugal.


Continue lendo...

Arqueologia proibida - O segredo das pirâmides


Depois de séculos de estudo e pesquisa, muito pouco se descobriu sobre os objetivos reais e os motivos para a construção das pirâmides egípcias.
As pirâmides guardam segredos importantes para o planeta Terra, que até agora não podiam ser compartilhados. Parece que isto exigiria um nível suficientemente elevado de vibração coletiva da humanidade e, consequentemente, uma maior expansão da consciência, para um entendimento completo.
É evidente que muitas pirâmides foram construídas como túmulos, mas existem algumas, e entre elas, a mais importante, do nosso ponto de vista, em que não foi encontrado nenhum sarcófago.
Há muitas hipóteses, mas existem, também, muitas perguntas, muitos mistérios sobre a real função das pirâmides mais importantes.
Começando pela imensa massa de dados que os projetistas elaboraram, as técnicas de construção, até o tipo de energia para ser usada, dos materiais, máquinas, guindastes, andaimes utilizados.
Restam, porém, algumas questões fundamentais: quem construiu as pirâmides eram simplesmente humanas ou outras mentes teriam influenciado ou colaborado na construção? Engajar-se em uma tarefa assim tão trabalhosa ... com qual objetivo?
Continue lendo...

Pirâmides submersas no Japão, um misterio!

Uma estrutura que se pensa ser a construção mais velha do mundo, com quase duas vezes a idade das grandes pirâmides do Egito, foi recentemente descoberta.

A formação retangular de pedras abaixo do mar na costa do Japão poderia ser a primeira evidência de uma desconhecida civilização anterior a Idade da Pedra, dizem os arqueólogos.

O monumento tem 600 pés de largura e 90 pés de altura e foi datado com pelo menos 8.000 a.C.

A pirâmide mais velha no Egito, a Pirâmide de Saqqara, foi construída há mais de 5.000 anos.

A estrutura fora de Yonaguni, uma pequena ilha ao sudoeste de Okinawa, foi descoberto há 10 anos quando os primeiros 75 pés foram descobertos sob a água por mergulhadores de Scuba.

Os locais acreditaram que era um fenômeno natural. O professor Masaki Kimura, geólogo da Universidade de Ryukyu em Okinawa, foi o primeiro cientista a investigar o local e concluiu que a misteriosa estrutura de cinco camadas era artificial. 

" O objeto não foi fabricado pela natureza, se fosse o caso, eu esperaria encontrar escombros de erosão ao redor do local, mas não há nenhuma pedra fragmentada lá ".

A descoberta do que parece ser uma estrada que cerca o edifício foi a evidência adicional de que a estrutura foi feita por humanos. Robert Schoch, professor de geologia na Universidade de Boston, mergulhou no local no mês passado. 

" Isto é basicamente uma série de camadas enormes, cada um com aproximadamente um metro de altura.Essencialmente, é uma face de precipício como o lado de uma pirâmide.

É possível que a erosão natural da água combinada com o processo de pedras rachando e se dividindo possam criar uma estrutura desse tipo, mas eu não vejo como tal processo possa ter criado uma estrutura tão bem formada".

Kimura disse que era muito cedo para saber quem construiu o monumento ou seu propósito. "

A estrutura poderia ser um santuário religioso antigo, possivelmente, celebrando uma divindade antiga que se assemelha ao deus Nirai-Kanaique os locais dizem que trazia a felicidade às pessoas de Okinawa no além mar.

Esta poderia ser a evidência de uma nova cultura, mas lá não existe nenhum registro de pessoas suficientemente inteligentes para ter construído tal monumento a pelo menos 10.000 anos atrás.

Teruaki Ishii, professor de geologia em Universidade de Tóquio, disse que as estruturas datam de pelo menos 8000 a.C. quando a terra onde esta construção foi realizada teria submergido ao término da última idade de gelo.

Os primeiros sinais de civilização no Japão datam do período Neolítico ao redor de 9000 a.C. As pessoas viveram neste momento como caçadoras.

Não há nada no registro arqueológico que sugira a presença de uma cultura avançada o bastante para ter construído uma estrutura como esta. Jim Mower, um arqueologo da Universidade de Londres, disse: " Se for confirmado que o local é tão velho quanto 10.000 anos e é artificial, então isto vai mudar terrivelmente o que pensamos sobre a história do sudeste da Ásia."

Continue lendo...

PIRÂMIDES E O MISTÉRIO DE ÓRION

piramides do egito
As pirâmides de Gizé têm estimulado a imaginação humana. Quando foi erguida, a Grande Pirâmide tinha 145,75 m de altura (com o passar do tempo, perdeu 10 metros do seu cume). O ângulo de inclinação dos seus lados é de 54º54'. Sua base é um quadrado com 229 m de lado. Mas, apesar desse tamanho todo, é um quadrado quase perfeito - o maior erro entre o comprimento de cada lado não passa de 0,1%, algo em torno de 2 cm, o que é incrivelmente pequeno. A estrutura consiste em mais de 2 milhões de blocos de pedra, cada um pesando de duas a 20 toneladas.
Na face norte fica a entrada da pirâmide. Um número de corredores e galerias leva ao que seria a câmara mortuária do rei, localizada no "coração" da estrutura. O sarcófago é de granito preto e também está orientado com as direções da bússola. Surpreendentemente, o sarcófago é maior do que a entrada da câmara. Só pode ter sido colocado lá enquanto a construção progredia, um fato que evidencia a complexidade do projeto e como tudo foi cuidadosamente calculado.
São cálculos assombrosos. Por exemplo, se você tomar o perímetro da pirâmide e dividi-lo por duas vezes a sua altura, chegará ao número pi (3,14159...) até o décimo quinto dígito. As chances de esse fenômeno ocorrer por acaso são quase nulas. Até o século 6 d.C., o pi havia sido calculado só até o quarto dígito.
E isso é só o começo. A Grande Pirâmide pode ser a mais velha estrutura na face do planeta, é a mais corretamente orientada, com seus lados alinhados quase exatamente para o norte, sul, leste e oeste. É um mistério como os antigos egípcios conseguiram tamanha precisão sem utilizar uma bússola - assim com é incrível que até agora ninguém tenha aparecido com uma explicação para o enigma.
Ao que parece, todas as construções na planície de Gizé estão espetacularmente alinhadas. No solstício de verão, quando visto da Esfinge, o Sol se põe exatamente no centro da Grande Pirâmide e de sua vizinha, a pirâmide de Quéfren. No dia do solstício de inverno, visto da entrada da Grande Pirâmide, o Sol nasce exatamente do lado esquerdo da base da cabeça da Esfinge e passa toda a cabeça até se pôr ao lado direito de sua base. A geometria das três pirâmides tem sido uma fonte de confusão por muitos anos, por causa da maneira aparentemente imperfeita com que foram alinhadas. É curioso, porque foram os egípcios os inventores da geometria.
Por outro lado, a pirâmide está colocada num lugar muito especial na face da Terra - ela está no centro exato da superfície terrestre do planeta, dividindo a massa de terra em quadrantes aproximadamente iguais. O meridiano terrestre a 31º a leste de Greenwich e o paralelo a 30º ao norte do equador são as linhas que passam pela maior parte da superfície terrestre do globo. No lugar onde essas linhas se cruzam está a Grande Pirâmide, seus eixos norte-sul e leste-oeste alinhados com essas coordenadas. Em outras palavras, a Grande Pirâmide está no centro da superfície terrestre. Ela é, por assim dizer, o umbigo do mundo.
Muitos arquitetos e engenheiros que estudaram a pirâmide concordam que, com toda a tecnologia de hoje, não conseguiríamos construir uma igual. Será ? Às vezes as pessoas preferem acreditar em qualquer coisa menos na capacidade do gênio humano. Foi com essa intenção que, em 1944, um grupo de arqueólogos tentou construir uma réplica da pirâmide, sem usar a tecnologia moderna, nem mesmo a roda, mas seguindo uma escada proporcional de tamanho, tempo e número de operários 40 vezes menor. Isso resultaria justamente nos 10 m que faltam ao cume da Grande Pirâmide.
Cordas e varetas serviam como instrumentos para medição e demarcação do terreno, as pedras foram cortadas a cinzel nas pedreiras distantes, transportadas de barco e empurradas até o local da empreitada, ao lado de Quéops. O sistema utilizado para erguer as pedras foi uma combinação da rampa com as alavancas. Tudo como nos velhos tempos.
Para surpresa geral, as pedras foram se encaixando com precisão milimétrica e a construção progrediu, apesar dos atrasos provocados pelo desconhecimento do know-how da época, que teve de ir sendo desvendado na base da tentativa e erro. O que frustou o sucesso da empreitada foi o tempo. Não deu. Se a equipe dispusesse de alguns dias a mais, além dos 45 dias determinados, teria construído uma Grande Pirâmide em escala.
Robert Bauval e Adrian Gilbert tem um estudo astronômico sobre as pirâmides. Os dois publicaram suas descobertas preliminares no livro THE ORION MYSTERY, editado pela Heinemann. Eles também fizeram um documentário para a TV em 1995, lançando uma nova e intrigante luz sobre o assunto. Os pontos de vista expressados no livro e no documentário foram inicialmente desprezados pelos egiptólogos acadêmicos, mas, conforme as evidências foram reforçando sua teoria, mais e mais gente a foi aceitando.
Embora Virgina Trimble e Alexander Badawy tenham sido os primeiros a notar que os "respiradouros" da pirâmide de Quéops apontavam para a Constelação de Órion, aparentemente com o objetivo de mirar a alma do rei morto em direção àquela constelação, Bauval foi o primeiro a notar que o alinhamento das três pirâmides era uma acurada imagem espelhada das Três Marias, como são chamadas no Brasil as estrelas Alnitak, Alnilam e Mintaka, que formam o "cinturão" de Órion. A isso ele deu o nome de Teoria da Correlação, que forma a espinha dorsal de sua pesquisa.
As pirâmides há muito vêm fascinando Robert Bauval. Ele é um engenheiro egípcio, filho de pais belgas, nascido em Al-Iskandariyaa (Alexandria), e passou a maior parte da sua vida trabalhando no Oriente Médio. Por muitos anos ponderou sobre o significado de Sah, a constelação de Órion e sua ligação com as pirâmides.
Bauval sabia que a aparentemente inconsistente disposição das três pirâmides em Gizé não era acidental. O problema há muito ocupava sua cabeça e a de seus amigos engenheiros. Muitos concordavam que o alinhamento, embora incomum não era um erro, dado o conhecimento matemático que os egípcios tinham.
Enquanto trabalhava numa obra da Arábia Saudita, Bauval costumava passar as noites com a família e os amigos num churrasco no deserto. Num desses finais de noite ao redor da fogueira, um amigo engenheiro, que também era astrônomo amador, apontou para a constelação de Órion, que se levantava atrás das dunas. Ele mencionou de passagem que as estrelas que formam o cinturão do caçador pareciam imperfeitamente alinhadas, e não formavam uma diagonal reta. Mintaka, a estrela mais à direita, está ligeiramente fora do prumo. Enquanto o amigo explicava, Bauval ia vendo a luz - o alinhamento das três estrelas correspondia perfeitamente ao das pirâmides de Gizé !
Inicialmente Bauval usou o programa de astonomia Skyglobe para checar o alinhamento das estrelas em 2450 A.C. O software foi suficiente para clarear a mente de Bauval quanto ao valor da sua descoberta. O programa Skyglobe também pode colocar a Via-Láctea nos mapas celestes que produz, e ao fazer isso Bauval encontrou as evidências para a sua teoria. Gizé está a oeste do Nilo, da mesma forma que Órion está a "oeste" da Via-láctea, e na mesma proporção em que Gizé está para o Nilo.
Bauval colocou a precessão das Três Marias e descobriu que, devido à sua proximidade no espaço e à sua grande distância da Terra, há 5 mil anos as estrelas apareciam exatamente do mesmo modo como são vistas hoje. Claro, elas mudaram em declinação -antes estavam abaixo do equador celeste, a cerca de 10 graus de declinação.
A astronomia é fundamental na Teoria da Correlação de Bauval. Em um ciclo de 26 mil anos, o eixo do nosso planeta oscila levemente e isso leva a uma mudança aparente na posição das estrelas. Esse fenômeno é conhecido pleno nome de precessão. Enquanto a Terra oscila, a Estrela Polar que marca o Pólo norte celeste vai mudando. Atualmente, a estrela Polaris marca esse ponto, mas, na época das pirâmides, no lugar dela estava Thuban, da constelação Draconis. Dentro de dez anos, a estrela Vega, da constelação de Lira, irá ser o pólo norte celeste.
Outra mudança na posição das estrelas é provocada pela expansão do universo. As estrelas não estão paradas no espaço - elas têm o que se chama de movimento próprio. Algumas estão se movendo em direção à Terra, enquanto outras estão se afastando. Grupos de estrelas relacionadas, como as Três Marias, em Órion, tendem a se mover juntas pelo espaço.
A mudança da posição de uma estrela está em função, entre outras coisas, de sua distância do local de observação. Estrelas que estão muito longe parecem se mover bem devagar. Este é o caso das Três Marias, distantes aproximadamente 1,4 mil anos-luz Terra. Assim, através dos séculos, elas mudaram sua declinação, e hoje nascem e se põem em tempos diferentes. Mas elas retêm sua forma característica por causa da distância.
É muito importante entender que o céu era diferente no tempo das pirâmides. A forma geral das Três Marias tem permanecido igual, embora muitas outras partes do céu tenham mudado drasticamente. Graças aos sofisticados programas de computador, é possível projetar o céu de volta no tempo, o que permitiu a Bauval verificar e construiu sua teoria.
As relações que tal descoberta implica são fascinantes. Os egípcios eram dualistas, tudo em que pensavam e em que acreditavam tinha sua contraparte - causa e efeito, direita e esquerda, leste e oeste, morte e renascimento - e nada era visto isoladamente. Eles construíram em Gizé uma réplica exata do cinturão de Órion, o destino do Faraó, o Duat. Longe de ser uma tumba, a pirâmide seria o ponto de partida da jornada do rei morto de volta às estrelas de onde veio.
A egiptologia tradicional acredita que os egípcios praticavam a religião solar, centrada na adoração de Ra. O culto a Ra, cujo centro era Heliópolis, a Cidade do Sol, era sem dúvida importante, mas parece que era um apêndice de uma religião estelar ainda mais antiga. Toda a evidência que tem surgido sugere que Ra era meramente um dos instrumentos pelos quais o rei retornava ao tempo primordial, e não ao seu objetivo final. A aplicação da Astronomia ao estudo do Antigo Egito mostra que as estrelas tinham importância definitiva no destino final do rei, como se pode notar pelo texto 466 recolhido na pirâmide : "Ó Rei, és esta grande estrela, a companheira de Órion, que gira pelo céu com Órion, que navega o Duat com Osíris..."
O rei era muito importante por ser o elo entre os deuses e os homens, e era tratado com enorme respeito na vida e na morte. Desde o momento de seu nascimento era educado e treinado para seu retorno às estrelas. Cada aspecto da sua vida estava associado com sua jornada. Ele aprendia as rezas e encantamentos (muitos foram colocados nos Livro dos Mortos), que lhe garantiria uma jornada segura. Seu objetivo na vida era um retorno bem-sucedido, e a pirâmide, longe de ser uma tumba ou um memorial, era um ponto de partida dessa grande jornada.
Fonte: Net
Assuntos relacionados:
Pirâmides Transferem Energia Global para uma Nuvem Fotonica
As Pirâmides do Sudão
Pirâmides de Cristal submersa no Triângulo das Bermudas
Pirâmides de Cristal submersa no Triângulo das Bermudas
Pirâmide de Quéops construída há 73.000 a.C.
Piramides – Intrigantes e surpreendentes! (Documentario)
Pirâmides de Gizé é seus mistérios
Pirâmides na Bósnia e a História de Nossa Civilização
Pirâmides do Egito em perigo de destruição
Pirâmide é suas diferenças
A MALDIÇÃO DE TUTANKAMON
Alinhamento Planetário com as 3 Pirâmides de Gizé em 03 de Dezembro 2012


TAGS: REVELANDO VERDADES OCULTAS

Continue lendo...

A PIRÂMIDE DE CRISTAL, HOAX?



Em 1970 o Dr. Ray Brown, um naturalista de Mesa, Arizona, estava mergulhando com alguns amigos próximo às Ilhas Bari, nas Bahamas, numa área a 20 milhas da extremidade de um abismo submarino chamado




“A língua do Oceano”.

Durante o mergulho, Brown se separou de seus companheiros e tentando se juntar novamente a eles, de repente viu uma estranha forma de pirâmide aparecer sob a luz da água marinha. A pirâmide estava situada 22 braças abaixo, tinha 120 p´es de altura , com somente 90 se projetando fora no assoalho de areias móveis do oceano. Brown primeiro se impressionou de ver como a superfície de pedra era lisa e semelhante a um espelho, com as juntas entre os blocos individuais quase indiscerníveis.
Nadando para perto do topo, que ele achou que parecia lápis-lazuli, ele descobriu uma entrada e decidiu explorar. Passando ao longo de um estreito corredor, Brown finalmente chegou a uma pequena sala retangular com um teto em forma de pirâmide. Era interessante que a sala não continha algas ou corais crescendo nas suas paredes internas. Elas não tinham nenhuma mancha.
Além disso, embora Brown não tivesse trazido lanterna, ele podia ver tudo perfeitamente. O quarto era iluminado muito bem e com uma luz brilhante, mas nenhuma fonte direta de luz estava visível. A atenção de Brown se dirigiu para uma vara metálica semelhante a cobre, com 3 polegadas de diâmetro pendurada do ápice do centro, e na sua ponta estava colocada uma gema vermelha com muitas faces que acabavam num ponto. Diretamente abaixo da vara e da gema, no meio da sala estava uma mesa de pedra esculpida que tinha em cima um prato de pedra com pontas enroladas.
No prato havia um par de mãos talhadas de metal cor de bronze, de tamanho igual ao de mãos humanas, que pareciam escurecidas e queimadas, como se tivessem sido submetidas a uma aquecimento tremendo. Aninhado nas mãos e situado 4 pés abaixo da ponta da vara com a gema, estava um cristal de 3 polegadas e meia de diâmetro.
Brown primeiro tentou soltar a vara e a gema vermelha, mas não conseguiu. Voltando para a esfera de cristal, ele a separou facilmente das mãos de bronze e partiu levando esse cristal. Quando estava saindo, Brown sentiu uma presença e ouviu uma voz de algum lugar que lhe disse para nunca retornar.
Temendo que esse cristal pudesse ser confiscado como roubo de tesouros pelo governo dos Estados Unidos, o Dr. Brown não revelou a existência do estranho cristal ou suas experiências, até 1975, quando ele exibiu o cristal pela primeira vez. Ele mostrou o cristal apenas uma meia dúzia de vezes, mas em cada vez as testemunhas viram ou se tornaram sensitivas a fenômenos estranhos diretamente associados com ele.
Bem profundamente na forma cristalina pode-se vislumbrar 3 imagens de pirâmides, uma em frente da outra, em tamanhos decrescentes. Algumas pessoas, entrando num estado de consciência meditativo ou em ondas cerebrais alfa, conseguem ver claramente uma quarta pirâmide adiante das outras três.
Elizabeth Bacon, uma paranormal de New York, em um transe enquanto lia a misteriosa esfera, recebeu a mensagem de que o objeto havia pertencido a Thoth, o deus egípcio que há muitas épocas havia enterrado uma caverna secreta de conhecimento em Gizá, perto das três grandes pirâmides. Será que as posições das imagens das três pirâmides no cristal contém uma chave para encontrar uma quarta pirâmide subterrânea ainda não encontrada, que seria o célebre Hall of Records (Sala dos Registros)?
De lado, as imagens internas se dissolvem em milhares de minúsculas linhas de fratura e Brown sente que elas podem ser de natureza elétrica, como algum tipo de circuito microscópico. Ainda de outro ângulo e sob condições especiais, muitas testemunhas foram capazes de ver um grande único olho humano olhando serenamente para eles. Já foram tiradas fotos desse olho.
Assim como os misteriosos crânios de cristal da América Central, a esfera de cristal do Dr. Brown é fonte de uma variedade de eventos paranormais. As pessoas sentiram brisas de ventos iônicos soprando próximas ao cristal; camadas quentes e frias o rodeiam a várias distâncias; outras ocorrências foram luzes fantasmas, vozes ou estranhas sensações de zunido ao seu redor.
Uma agulha de bússola colocada próxima à esfera girará ao contrário, depois começaraá a girar na direção oposta quando afastada duas polegadas. Os metais são magnetizados temporariamente em contacto próximo com ele. Há também exemplos registrados em que uma pessoa foi temporariamente curada de uma indisposição ao tocar a esfera de cristal, mas então a pessoa seguinte que se aproximou do cristal absorveu os sintomas da indisposição da pessoa anterior, como se o cristal pudesse retirar e depois ativar doenças humanas à vontade.
Ainda permanece um mistério qual seria o objetivo da esfera e que papel ela teve um dia no enigmático instrumento que Brown encontrou dentro da pirâmide submersa. Uma idéia proposta é de que essa pirâmide antes atraía, acumulava e gerava forças cósmicas.
A vara suspense poderia conduzir forces acumuladas no topo; a gema vermelha facetada em sua ponta concentraria e projetaria a energia para a esfera de cristal embaixo dela e as mãos escurecidas e queimadas, mostrando evidências de transferência de energia, provavelmente amplificava a liberação de energias; enquanto que a esfera de cristal atuava como harmonizador e liberação das energias.
Tudo o que se sabe por certo é que a esfera de cristal do Dr. Brown retirada de seu sistema, é por si mesma uma testemunha para a tecnologia mais sofisticada, pois segundo os especialistas do Instituto Smithsonian de Washington, a tecnologia para cortar cristais de quartzo com a perfeição exibida por essa esfera, não foi conseguida até depois de 1900.
Continue lendo...

Pirâmides de Cristal submersa no Triângulo das Bermudas


Estas estruturas estranhas a uma profundidade de dois mil metros foram localizados com a ajuda de sonar de acordo oceanógrafo Dr. Meyer Verlag.

Estudos com cientistas da equipe outros permitiram determinar que as duas pirâmides gigantes, possivelmente feitas de algo como um vidro grosso, são estruturas verdadeiramente impressionantes, já que cada um deles é maior do que a pirâmide de Quéops, no Egito. B.Meyer acredita que a divulgação dos segredos das pirâmides estranhos que estão no centro do triângulo, vai lançar luz sobre o assunto.

Terrível e misterioso, que estão associados com os desaparecimentos no Triângulo das Bermudas. Na sua conferência de imprensa, nas Bahamas, o cientista deu a um relatório com as coordenadas exatas das pirâmides e os cartões com a sua imagem.

Oceanógrafo no local afirmou que a tecnologia é desconhecida para a ciência moderna, e é projetado de modo que a pirâmide água abaixo. Talvez, um estudo mais aprofundado dar resultados ao longo do tempo difíceis de imaginar. acima das pirâmides são frequentemente relatórios. 

Assim como oceanógrafos americanos na década de 1990, descobriram pirâmides submarinas, é exatamente no centro do Triângulo das Bermudas, no centro.

Os cientistas processar todos os dados recolhidos e concluíram que a superfície é perfeitamente lisa de vidro, algo reminiscente ou gelo. As dimensões das pirâmides eram quase três vezes a pirâmide de Quéops. Esta notícia foi uma sensação, que foi discutido em uma conferência na Flórida.

Os jornalistas presentes na mesma, tem um monte de fotos e dados computadorizada de alta resolução, mostrando as pirâmides tridimensionais perfeitamente lisas, sem ser coberto com algas da superfície livre de detritos ou rachaduras. A questão é por que agora nos meios de comunicação, a questão está fechada ?





Tradução Automática

Fonte: ovnicanarias
Continue lendo...

Pirâmides de 11 mil anos submersas no Japão

piramide sub 2

Pirâmides de 11 mil anos submersas Japão podem confirmar Terceira Raça

Nos últimos anos, novos e impressionantes achados arqueológicos trazem fortes luzes sobre tempos imemoriais e estão fazendo com que a ciência da antropologia dê sobressaltos de calafrios nas últimas décadas. 

Se antes, pensávamos apenas em Atlântida como sendo um continente perdido no Oceano Atlântico, bem como o mítico Continente de Mu no Oceano Atlântico, e as terras de Rama no Oceano Índico, precisamos lembrar que os povos amarelos também tem suas lendas. 

E essas lendas podem estar sendo corroboradas por impressionantes descobertas.

Um tema mitológico muito conhecido no Japão, Taiwan , China e Filipinas descrevem a antiga busca por uma civilização perdida naquela região do planeta. 

Esse folclore cita através de lendas a probabilidade de um reino submerso nas Águas do Oceano Pacífico, com uma linha costeira que unia várias terras e onde os fragmentados arquipélagos da Malásia, da Indonésia, das Filipinas e do Japão não seriam mais do que partes de um grande continente.

Pirâmides submersas no Japão

Alguns pesquisadores o denominam de Lemúria, mas no Japão, é chamado Hori. E foi em 1985 que mergulhadores japoneses fizeram surpreendentes descobertas. Ao estudarem uma região no Arquipélago de Ryûkyû, a 480 km a sudoeste de Okinawa – Japão, o mergulhador Kihachiro Aratake estava com sua equipe procurando melhores lugares para turistas praticarem mergulho quando encontrou um conjunto de misteriosas ruínas magalíticas. 

Era uma plataforma com escadarias, as quais cada uma tem mais ou menos 1 metro de altura, assemelhando-se com um altar em pedras cortadas com precisão.

São restos de uma cidade antiqüíssima submersa próxima ao território japonês. A área tem 28,88 km² que tem uma população de menos de 2.00 moradores. Muitos historiadores, arqueólogos e outros cientistas foram atraídos até o sítio arqueológico, onde realizaram estudos geológicos para o cálculo da idade destes monumentos.

Chegaram a uma estupenda conclusão: os monumentos têm perto de 11.000 anos de idade

Isso coloca as edificações como sendo as mais antigas do planeta. Mais oito grandes estruturas feitas pelo homem foram encontradas no decorrer de 10 anos de exploração e pesquisas, com destaque para um enorme platô com mais de 200m de comprimento, e para deixar os arqueólogos ainda mais atônitos, descobriu-se uma pirâmide igual às pirâmides Aztecas e Maias (5 andares e alinhadas de acordo com pontos cardeais), além de um conjunto de ziguraes.

Construções mais antigas do planeta

Considerando que após re-datarem a idade da Esfinge de Gizé para cerca de 12 mil anos de idade (muito mais antiga do que assegura a arqueologia ortodoxa), calcula-se então que esse conjunto de construções no mar japonês tenha sido construído na mesma era em que sugiram as colossais pirâmides do Egito.

E mais surpresas estavam por vir. Não muito longe do local, outras ruínas vieram ao conhecimento, sendo uma delas, uma caverna rodeada de grandes pilares e uma estátua de cabeça humana um tanto gasta pela erosão das águas, submersa a cerca de 18 metros abaixo da superfície. Essa obra megalítica, segundo os arqueólogos, é muito parecida com os Moais da Ilha de Páscoa, na costa do Chile, também no Oceano Pacífico.

São escadarias, entalhes na rocha , rampas, terraços, pilares, desenhos de animais feitos em pedras única e a perfeita indicação de que Yonaguni pode ser o mais antigo sítio arquitetônico da história de uma humanidade desconhecida, principalmente depois que foram encontradas ferramentas de entalhe.

Para completar ainda mais a surpresa dos pesquisadores, outra descoberta: uma parede onde estão gravadas inscrições em estranhos caracteres, chamada Okinawan Rosseta Stone. Esses hieróglifos confirmam que o achado tem tudo pra ser obra de seres humanos, de uma civilização altamente evoluída que habitou o local há vários milhares de anos.

As pesquisas prosseguem através do Masaaki Kimura e sua equipe da Universidade de Ryûkyû. Os cientistas confirmam que essa formação retangular de pedras que foi encontrada submersa na costa do Japão é a evidência de que pode ter existido uma desconhecida e fantástica civilização, anterior a Idade da Pedra.

Seria provas de que o Continente de Mu realmente existiu?

Lendas que se tornam palpáveis

Diante das mais gritantes e incontestáveis evidências, nos dias de hoje muitos cientistas, arqueólogos e pesquisadores estão plenamente convencidos que em tempos muito remotos grandes e evoluídas civilizações, tais como a Atlântida e a Lemúria, ocuparam a face da Terra.

Bem ao contrário dos ortodoxos e dos tradicionalistas que insistem em afirmar que tudo não passa de meras lendas

Buscar a verdade acima de qualquer coisa deveria ser a meta do ser humano mas parece que há uma onda envolvente de ceticismo que embaça até mesmo as mentes mais brilhantes na tentativa de descobrir o que a história pode estar escondendo.

Mesmo assim, acreditam os místicos de que antes da raça ariana atual, existiram quatro raças anteriores, sendo que algumas delas chegaram a um conhecimento muito além do que hoje conhecemos.

Premeditadamente ou não, a comunidade acadêmica despreza qualquer sugestão de que tenhamos tido em um passado remoto, civilizações avançadas que teriam deixado espalhados em vários locais do mundo os indícios de sua existência.

"Atlântida? Lemúria? Hiperbórea? Isso é lenda!", dizem os céticos, que preferem manter protegida a idéia de progresso científico contemporâneo do que admitirem que possa ter havido na face da Terra, povos mais evoluídos em conhecimentos.
Pirâmides Submersas em Cuba
Uma equipe cubana-canadense relatou no ano de 2000, a descoberta do que poderia ser as ruínas de uma cidade de cerca de 6 mil anos de idade ou mais, que afundou ao longo da costa oeste de Cuba, como relatado.

flyingrov1lA expedição composta por cientistas canadenses e cubanos que trabalham no projeto "Exploramar", dedicados a encontrar navios naufragados, encontrou evidências de assentamento humano. 

A descoberta foi feita a 650 m. profundo no mar do Caribe, entre a península de Guanahacabibes região cubana e mexicana de Yucatan. 

A descoberta foi utilizado um robô submarino equipado com câmeras, luzes e sonar.
Para realmente ter certeza de que é uma cidade submersa, as investigações estão sendo realizadas a bordo do navio "Ulysses" pela Academia de Ciências de Cuba. 

Este foi recentemente equipado com a tecnologia mais recente por Advanced Digital

Communications (ADC), e uma das melhorias técnicas que são incorporadas as câmaras de pesquisa mais amplo campo de visão.

A localização destes restos pertenciam a uma cidade submersa por milhares de anos, uma grande descoberta arqueológica promete explicar o passado americano.

A descoberta foi feita em 2000, e ainda pouca informação tem sobre o assunto. 

O autor desta descoberta é o oceano Engenheiro Paulina Zelitsky, um especialista canadense-soviético-nacionalizada durante a Guerra Fria foi dedicada à construção de submarinos secretos, e atualmente trabalha fazendo engenharia civil e topografia do leito oceanico. 

Alguns anos atrás, Zelitsky alcançou alguma notoriedade nos meios de comunicação para localizar os destroços do Maine, cujo naufrágio causou a Guerra Hispano-Americana de 1998.

O navio foi localizado a cerca de cinco quilômetros da costa de Havana e quase mil metros de profundidade. A equipe foi capaz de mostrar imagens impressionantes de  Zelitsky, no local do naufrágio.

Em 2000, esta equipa de investigação relatou a descoberta de um platô de terra enorme, com traços claros de que parecem ser enormes estruturas sintéticas de arquitectura, em parte cobertos de areia. 

De cima, as formas lembram pirâmides, estradas e edifícios. Como esperado, esta descoberta despertou a imaginação de quem acredita na existência da Atlântida.

Foi confirmado que as pedras encontradas foram cortadas, esculpido e polido para torná-los encaixar uns aos outros e, assim, formar estruturas maiores. Sobre as inscrições estranhas, alguns deles semelhantes aos hieróglifos egípcios, pouco se sabe, exceto que eles são muito abundantes e encontrada em quase todas as partes do local. 

Eles também apareceram símbolos e desenhos cujo significado é desconhecido.
A maioria das grandes redes de televisão em vários países estão esperando para fornecê-los com este material sem precedentes. Felizmente, Paulina Zelitsky facilitou o jornalista e pesquisador Luis Mariano Fernández, nenhuma mídia tem ou emitiu, as primeiras imagens gravadas por câmera de vídeo subaquático.

Há pirâmides e estradas de 600 metros?

"Na realidade, é extremamente peculiares estruturas .... capturaram a imaginação de todos nós ", eu comentei o cubano geólogo Manuel Iturralde depois de investigar por algum tempo o local da descoberta. "Acho que é muito difícil explicar isso do ponto de vista geológico", acrescentou, após uma longa entrevista concordou com ele em Havana. 

A revisão e análise de amostras de rochas a serem colhidos no futuro próximo vai oferecer mais luz sobre a formação, lembre-se que está localizado ao largo da Península Guanahacabibes no extremo oeste de Cuba.

_1697038_cuba_guana_pnsula_300map
Iturralde, que trabalha no Museu Nacional de História Natural de Havana, juntou-se ao Projeto Exploramar - o único poder por Fidel Castro para rastrear o fundo do mar da ilha - em esforços para desvendar o enigma das pedras, granito tipo, forma polida e geométricos. Estruturas, que lembram as pirâmides egípcias, estradas e outras estruturas, ficam mais de 600 metros de profundidade em uma área de 20 quilômetros quadrados.
Exploramar Projeto foi sugerido que poderia pertencer a uma civilização que colonizaram as Américas há milhares de anos, provavelmente se estabeleceram em uma ilha que afundou por um desastre natural, talvez um terremoto.

Ceticismo científico


Essa teoria, e seus paralelos inevitáveis ​​com a mítica cidade perdida de Atlântida, foi recebida com ceticismo pela comunidade científica internacional, que vêem pouco convincente e credível de tal comprimento, estimado em pelo menos 6000 anos pela equipe do  Exploramar.

Alguns arqueólogos europeus indicam que as rochas, encontradas em julho de 2000, enquanto procurava tesouros em naviões e galeões espanhóis, com o sonar do Exploramar, pode ser uma formação natural de calcário. Mas o estudo e a conclusão do Iturralde geólogo que não há explicação óbvia natural, isso tem reforçado a equipe de Ezlitsky acreditar em outras hipótese.

Para realizar a entrevista o jornalista espanhol Luis Mariano Fernandez, o geólogo Manuel Iturralde:

L.M.F. Manuel, há alguns anos atrás fez uma descoberta surpreendente na costa de Cuba, que parece ser os restos de uma cidade submersa. Como foi essa história? 

M.I. A descoberta vem quando estava fazendo alguma pesquisa sobre o fundo do mar em profundidades maiores que 300 a 500 metros em busca de navios e galeões. estava trabalhando com o sonar de varredura lateral. Neste sonar de varredura mostrou algumas figuras incomuns. 

E me chamou a atenção para o investigar, quem estava no comando deste grupo, Paulina Zelitsky. Esse grupo é chamado Exploramar, um projeto de pesquisa arqueológica nas águas territoriais de Cuba. 

Ela é muito interessada neste assunto e fez novas faixas com este som para melhorar as imagens que foram obtidas. É quando ele quebrou a notícia de que tinha aparecido uma cidade submersa no oeste de Cuba. 

Em cinco ou seis meses de euforia, esta notícia e pesquisas,  fui chamado para se juntar ao grupo como um geólogo, porque o grupo tinha apenas arqueólogos. Como geólogo examinei todo o material que tinha o sonar de varredura lateral, e também examinei todos os dados batimétricos detalhados que não conseguiu fazer uma batimetria muito detalhada destas formações. 

Eu comecei com o tratamento desta informação. É verdade que lá em baixo no mar, há estruturas que, por vezes, têm dimensões de várias centenas de metros que são incomuns, quero dizer, não temos explicação simples, direta, essas estruturas depois de fazer pesquisa a morfologia do leito do mar, a acção das correntes marinhas, que são muito intensa, e assim por diante.

L.M.F. Como essas estruturas foram formadas no fundo do mar? Tem havido mais investigação, então?

M.I. Não existe uma explicação clara de como essas estruturas se formaram por meios naturais. Oferecido este ponto de vista como um geólogo, eu admito a possibilidade de que o caso de estruturas artificiais, ou seja, criado pelo homem, ou alguma entidade inteligente. 

Após estas descobertas foram algumas amostras de rochas no mar, as amostras isoladas, ou seja, que nenhum trabalho sistemático foi feito. Na área onde está os  megálitos, como foi chamado pela  Paulina, parecem estranhas rochas. Alguns deles não são típicos de Cuba. Isso faz pensar em duas variantes: uma pessoa pode ser que derrubou lá, tenha caído lá, e mais que isso poderia ser parte dos edifícios. 

Eles também apareceram material disperso que se assemelha com  cinza vulcânica, e as informações que temos que um navio de pesquisas soviético em 67 relataram ter dragado amostras de cinzas vulcânicas em um lugar com subareo, caráter básico formado por um vulcão. 

De qualquer forma esta informação não é verificada e, em minha opinião pode haver qualquer tipo de vulcão. Por conseguinte, este trabalho e esta pesquisa abre um grande número de mistérios sobre a região. 

O que são e que fazem essas estruturas mais de 500 metros de profundidade cerca de dois ou três quilômetros a oeste de Cuba? Até agora só temos uma hipótese de trabalho ... 

L.M.F. Em alguns cubanos e norte-americanos de mídia falou de pirâmides e estradas a 600 metros de profundidade ..... O que há em tudo isto? 

MI: Isso é uma interpretação. Como geólogo, posso dizer que existem altas estruturas lineares que podem muito bem coincidir com as estradas e as pirâmides. Estas estruturas elevadas são em forma de quadrados. 

Eles são quadrados e alguns elementos que se repetem de um para outro. Existe também uma forma semielipsoide na parte inferior, existe um quadrado perfeito com uma cruz no meio .... ou seja, há uma série de estruturas que não consigo encontrar uma explicação elementar ou natural. 

L.M.F. Você foi capaz de extrair algo daquele lugar para examiná-lo e datá-la?
M.I. N, isto é, a uma profundidade de 500 a 700 metros. Ser capaz de executar, requer tecnologia avançada que não temos. Então, nós sabemos o caminho, não temos dados diretos sobre a sua composição, nem temos sido capazes de explorar e escavar por conta da profundidade. 

A idéia é levar amostras dessas estruturas, mas esta empresa é bastante complexa, porque parece que é granito, e perfurar o granito nesta  profundidade é muito difícil.

L.M.F. Que hipótese de trabalho barajais?

M. I. Até agora, temos apenas três hipóteses, que são o mais possível. A primeira é que este é de origem natural. A segunda é que pode ser artificial. E a terceira hipótese, que é uma combinação do acima, é o caso das estruturas naturais que foram transformadas por seres inteligentes. No momento não podemos escolher qualquer um dos três, pelo menos eu não me sinto com a capacidade de selecionar qualquer. Eu acho que é uma necessidade de mais investigações, mas até agora tem sido impossível. Isso exige um investimento e um financiamento enorme que não temos. 

Esta empresa que estamos trabalhando, A ADC MAr, está  buscando financiamento para continuar trabalhando. Enquanto isso, estamos em compasso de espera. 

L. M. F. Falou-se do mítico e lendário "Atlantis" ..... 

M. I. Bem .... (Risos) ... Eu não compartilho essa parte da discussão. Meu tema é a geologia. Mas hey, Atlantis é muito emocionante e não há muita literatura sobre este assunto. E não só da Atlântida, mas o fato de as culturas do Yucatan, hoje, é ainda possível que o que resta dos aborígenes destes lugares, poderia ser os olmecas ou alguma civilização primitiva de Yucatan. 

A parte norte da América Central - teve a sua origem, de acordo com eles em uma ilha por um cataclismo que afundou. Esta ilha é chamada Atlanticú. Tive essas informações através de um nativo, em Cuba não há nenhum vestígio, nenhum fato, nenhum resíduo arqueológico que tem a ver com as altas culturas da Mesoamérica.

Membros da equipe:

flyingrov1l
pyravidscrl
O robô que utilizaram para tomar as primeiras imagens submersas.
ROVgoingwater
Está é primeira imagem captada pela equipe do sonar. A mesma que foi tomada no ano 2000, a equipe do Exploramar mostra nas investigações o que parece ser um edifícil
inverted22
Estas imagens, correspondem a um segundo escanner da superfície marinha, tomado pela equipe do sonar em 2011. E são as mesmas, voltam aparecer novamente as mesmas estruturas geometricas, similares a edificios.
sonarscrl
cubasonarl
IMAGENS SUBMARINAS
cuba007
CubaRamSymbol7
CubaStoneLine5
FotosCamaraSubmarina
DIGITALIZAÇÃO EM 3D DOS REGISTROS DO SONAR.
Impressionante
01 - Atlantida[(052146)18-30-12]
01 - Atlantida[(052216)18-30-30]
01 - Atlantida[(052381)18-30-48]
01 - Atlantida[(052647)18-31-50]

DUAS PIRÂMIDES DE VIDRO ACHADAS SUBMERSAS NO TRIÂNGULO DAS BERMUDAS


Pirâmides de vidro são encontradas submersas no Triângulo das Bermudas.
Segundo um artigo, do site apparentlyapparel.com, pirâmides gigantescas de vidro (ou algo semelhante) teriam sido encontradas submersas no triângulo das bermudas, seriam construções da lendária Atlântida? Confira um trecho do artigo:

Estas estruturas em pirâmide estranhas subaquáticas a uma profundidade de dois mil metros foram identificadas com a ajuda de um sonar de acordo com oceanógrafo Dr. Verlag Meyer. Estudos de outras estruturas, como Yonaguni atualmente no Japão, permitiram aos cientistas determinar que as duas pirâmides gigantes, aparentemente feitas de algo como um vidro de grande espessura, são realmente impressionantes – cada uma delas é maior que a pirâmide de Quéops, no Egito.

Recentemente, cientistas americanos e franceses, bem como de outros países que estão conduzindo pesquisas em áreas do leito do mar do Triângulo das Bermudas, afirmam ter encontrado uma pirâmide de pé no fundo do mar, que nunca foi descoberta. 

O comprimento da base dessa pirâmide atingiu os 300 metros, 200 metros de altura, e à distância desde a base até a ponta da pirâmide é de cerca de 100 metros acima do fundo do mar. Os resultados preliminares mostram que esta estrutura parece ser feita de vidro ou um material semelhante a vidro (cristal?), como é totalmente lisa e parcialmente translúcida.

Quando se fala de tamanho, esta pirâmide recém re-descoberto é maior em escala do que as pirâmides do antigo Egito. No topo da pirâmide existem dois furos muito grandes, água do mar em movimento, à alta velocidade, passa através do segundo orifício e, portanto, as ondas turbulentas rolam pela formação de um vórtice gigante, que faz com que as águas em torno desta, causem um aumento maciço de ondas e névoa sobre o mar, na superfície. Esta nova descoberta faz com que os cientistas se perguntem se este está tendo um efeito sobre a passagem de barcos e aviões, o que poderia ser a razão para todo o mistério que cerca a área.

LEIA TAMBEM: http://saibatananet.blogspot.com.br/2015/07/o-misterio-das-piramides-submersas.html 

Fonte: BY JHERO

TAGS: REVELANDO VERDADES OCULTAS

Continue lendo...

Mais Populares

 
Copyright © 2016 ORIGINAIS OADM • All Rights Reserved.
Template Design by ORIGINAIS OADM • Powered by Blogger
back to top