Mostrando postagens com marcador RELIGIÕES. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador RELIGIÕES. Mostrar todas as postagens

Seu conceito sobre o sexo - que diferença faz?

Deus no casamento 02
HÁ PESSOAS que são da opinião de que a Bíblia desaprova tudo o que tem que ver com o sexo. Isto, naturalmente, não é o que a própria Bíblia diz. Depois de falar a respeito de Deus criar o primeiro homem e a primeira mulher, a Bíblia prossegue: “Deus os abençoou e Deus lhes disse: ‘Sede fecundos e tornai-vos muitos, e enchei a terra.’” — Gênesis 1:27, 28.
-
2 Portanto, as relações sexuais entre homem e mulher têm a aprovação divina. Mas, deviam entregar-se a elas sem limitações? Resultaria tal conceito em obtermos o maior usufruto da vida? Traria verdadeira paz e segurança para nós e para os em volta de nós?
-
3 O sexo está tanto sujeito a ser usado mal como estão outras funções humanas. Comer é bom e essencial à vida; no entanto, a glutonaria pode prejudicar a saúde e abreviar a vida. Dormir também é vital; mas o excesso disso priva a vida de realizações, e pode até mesmo enfraquecer o corpo. Assim como o verdadeiro usufruto da vida não resulta da glutonaria, da bebedice e da preguiça, também não resulta do uso irrestrito das faculdades sexuais. Isto é atestado pela experiência humana durante milhares de anos. Será preciso que nós descubramos isso pela nossa própria experiência amarga? Há um modo melhor.
-
4 A Palavra de Deus oferece um conceito equilibrado do sexo, que protegerá nossa felicidade atual e no futuro. No entanto, não é apenas para a nossa própria paz e segurança, mas, ainda mais importante, é por respeito ao nosso Criador que devemos procurar aprender e nos apegar às suas normas a respeito do uso destas faculdades com que dotou a humanidade. Colocamo-nos realmente do lado dele na questão que envolve a legitimidade de sua regência? Então nos sujeitaremos de bom grado também neste assunto à sua sabedoria e autoridade superiores como Soberano Universal. — Jeremias 10:10, 23.
-
MANTER O MATRIMÔNIO HONROSO ENTRE TODOS
-
5 A Bíblia exorta: O matrimônio seja honroso entre todos e o leito conjugal imaculado, porque Deus julgará os fornicadores e os adúlteros.” (Hebreus 13:4) Portanto, Deus é contra aqueles que se empenham nas relações sexuais fora do matrimônio. Isto é coerente com o fato de que Deus, ao dar ao primeiro homem um cônjuge, ele mostrou que era da sua vontade que o homem e sua esposa se tornassem “uma só carne”, numa união duradoura. Cerca de quatro mil anos depois, o Filho de Deus mostrou que seu Pai não havia abandonado esta norma. (Gênesis 2:22-24; Mateus 19:4-6) Mas é tal norma desnecessariamente restritiva? Priva-nos de algo bom? Vejamos.
-
6 O adultério viola a norma divina e Jeová promete ser “testemunha veloz” em julgamento contra os adúlteros. (Malaquias 3:5) Os frutos péssimos das relações sexuais com alguém fora do vínculo marital salientam a sabedoria da lei de Deus. O adultério destrói a confiança e cria desconfiança. Causa insegurança e mina a paz marital. A resultante amargura e mágoa amiúde resultam em divórcio. Os filhos sofrem, ao verem sua família desfazer-se. Ao considerar estas coisas, não concorda que a condenação do adultério por Deus é para o nosso bem? A sua Palavra mostra que aquele que tem genuíno amor ao próximo não comete adultério. — Romanos 13:8-10.
-
7 Conforme também já vimos, a Bíblia expressa também o julgamento de Deus contra os fornicadores. Exatamente o que é “fornicação”? Embora o uso bíblico deste termo possa incluir as relações sexuais por parte de pessoas não casadas, bem como o adultério, tem um significado muito mais amplo. A palavra para “fornicação”, usada ao se registrarem as declarações de Jesus e de seus discípulos, é a palavra grega porneía. Deriva-se da mesma raiz como o termo moderno “pornografia”. Porneía foi usada nos tempos bíblicos para descrever todas as formas de relações sexuais ilícitas. (The Vocabulary of the Greek New Testament, de Moulton e Milligan) Não inclui apenas as relações sexuais comuns entre pessoas não casadas entre si, mas também relações sexuais pervertidas entre tais pessoas. Neste respeito, outra obra de referência diz que porneía “pode também ser um ‘vício desnatural’, . . . sodomia”.36
-
8 Quando instou com seus irmãos cristãos para que se ‘abstivessem da fornicação’, o apóstolo Paulo apresentou fortes motivos para fazerem isso, dizendo: “Que ninguém vá ao ponto de prejudicar e de usurpar os direitos de seu irmão neste assunto, pois Jeová é quem exige punição por todas estas coisas . . . Pois Deus nos chamou, não com uma concessão para a impureza. . . . Assim, pois, quem mostra falta de consideração, não desconsidera o homem, mas a Deus.” — 1 Tessalonicenses 4:3-8.
-
9 Quem comete fornicação deveras ‘prejudica e usurpa os direitos dos outros’. Isto se dá, por exemplo, com pessoas que vivem com alguém do sexo oposto sem o benefício dum casamento legal. Por que fazem isso? Freqüentemente, o motivo é para que possam abandonar a união sempre que queiram. Não fornecem ao seu parceiro em tal arranjo nenhuma segurança que um casamento responsável devia fornecer. Mas o que se dá quando ambos se empenham voluntariamente em fornicação, com consentimento mútuo? Estão ainda assim ‘prejudicando e usurpando os direitos dos outros’? Decididamente que sim.
-
10 Em primeiro lugar, quem participa em fornicação participa em prejudicar a consciência da outra pessoa, bem como qualquer posição limpa que tenha perante Deus. O fornicador destrói também a oportunidade da outra pessoa de contrair um matrimônio com um começo limpo. É provável que lance desrespeito, vitupério e aflição sobre os membros da família da outra pessoa, bem como da sua própria. Pode também pôr em perigo a saúde mental, emocional e física da outra pessoa. Freqüentemente se relacionam com tal imoralidade sexual as temíveis doenças venéreas. Embora a culpa por tal dano recaia mais pesadamente sobre aquele que promove a fornicação, não obstante, ambas as partes compartilham a culpa.
-
11 O desejo apaixonado pode fazer com que as pessoas prefiram cegar-se para com tais danos. Mas, acha que Deus, na sua justiça, passará por alto ou tolerará tal desrespeito calejado para com os direitos dos outros? A Palavra de Deus exige que se ame o próximo como a si mesmo e que se ‘honre’, não rebaixe ou repudie, seu arranjo sagrado para o matrimônio. — Mateus 22:39; Hebreus 13:4.
-
12 Que dizer do homossexualismo? Conforme já vimos, esta prática está abrangida pela palavra porneía (“fornicação”), usada por Jesus e pelos seus discípulos. O discípulo Judas usou esta palavra ao se referir aos atos sexuais desnaturais dos homens de Sodoma e Gomorra. (Judas 7) O homossexualismo causou ali a degradação que produziu um alto “clamor de queixa” e levou a Deus destruir estas cidades e seus habitantes. (Gênesis 18:20; 19:23, 24) Mudou Deus de conceito desde então? Não. Por exemplo, 1 Coríntios 6:9, 10 alista os “homens que se deitam com homens, entre os que, se continuarem com tal prática, não herdarão o reino de Deus. Também, descrevendo o resultado para os que ‘desonram seus corpos com a impureza’, indo “após a carne para uso desnatural”, o apóstolo Paulo escreve que eles “ficaram violentamente inflamados na sua concupiscência de uns para os outros, machos com machos, praticando o que é obsceno e recebendo em si mesmos a plena recompensa que se devia ao seu erro”. (Romanos 1:24, 27) Tais pessoas não só caem sob a condenação de Deus. Recebem também uma “recompensa” de corrução mental e física. Por exemplo, hoje há muita sífilis entre os homossexuais. A norma elevada estabelecida na Palavra de Deus, em vez de nos privar de algo bom, protege-nos contra tal dano.
-
ACEITAÇÃO DO CONCEITO DE DEUS SOBRE O DIVÓRCIO
-
13 “Aborreço o divórcio.” Foi assim que Jeová Deus expressou sua forte opinião ao repreender os que ‘agem aleivosamente’ com seu cônjuge. (Malaquias 2:14-16, Brasileira) Sua Palavra fornece conselho abundante para ajudar as pessoas a tornar o casamento bem sucedido e a evitar a amargura do divórcio. Ela torna também claro que Deus considera a fidelidade aos votos maritais como responsabilidade sagrada.
-
14 Isto é salientado por ele reconhecer apenas um motivo válido para o divórcio. Seu Filho mostrou qual é: “Eu vos digo que todo aquele que se divorciar de sua esposa, exceto em razão de fornicação [porneía], e se casar com outra, comete adultério.” (Mateus 19:9; 5:32) Porneía, conforme já vimos, refere-se a todas as relações sexuais imorais fora do matrimônio, quer naturais, quer desnaturais.
-
15 Quando o cônjuge de alguém se torna hoje culpado de tal “fornicação”, rompe isto automaticamente o vínculo marital? Não, pois o cônjuge inocente pode decidir se quer perdoar-lhe ou não. Quando se decide o divórcio, o reconhecimento da autoridade respectiva do governo secular, por parte do cristão, fará com que ele dissolva o casamento de modo legal, fazendo-o em base verídica e legal. (Romanos 13:1, 2) Ao se concluir este processo, é permissível um novo casamento. Mas as Escrituras aconselham que tal casamento deve ser apenas com outro cristão ou cristã, alguém que está realmente “no Senhor”. — 1 Coríntios 7:39.
-
16 O que se dá, porém, quando as leis do país não permitem nenhuma espécie de divórcio, nem mesmo por motivo de imoralidade sexual? O cônjuge inocente, em tal caso, talvez possa obter um divórcio num país onde se permite o divórcio. As circunstâncias, naturalmente, talvez não tornem isto possível. Mas é possível que se consiga alguma forma de separação legal no próprio país, que se possa procurar obter. Qualquer que seja o caso, o cônjuge inocente pode separar-se do culpado e apresentar prova definitiva do motivo bíblico para o divórcio aos anciãos que servem em cargo judicativo na congregação local das testemunhas cristãs de Jeová. Depois, se mais tarde se decidir a tomar outro cônjuge, a congregação não agirá para excluí-lo da congregação como adúltero, desde que entregue à congregação uma declaração escrita. Esta declaração precisa conter um voto de fidelidade ao cônjuge atual e a concordância de obter uma certidão legal de casamento, caso o cônjuge afastado morra. Não obstante, esta pessoa terá de enfrentar quaisquer conseqüências que lhe possam resultar no que se refere ao mundo fora da congregação. Pois o mundo, em geral, não reconhece a superioridade da lei da Deus às leis humanas, e que tais leis humanas só têm autoridade relativa. — Veja Atos 5:29.
-
É SÁBIO EVITAR TODA A IMPUREZA E A COBIÇA SEXUAL
-
17 As relações sexuais ocupam claramente um lugar devido na vida dos casados. Deus providenciou-as como meio pelo qual se pode ter filhos, e também como fonte de satisfação agradável para os pais. (Gênesis 9:1; Provérbios 5:18, 19; 1 Coríntios 7:3-5) Não obstante, ele adverte contra o abuso deste dom.
-
18 Em vista da ênfase que se dá ao sexo na sociedade moderna, muitos jovens verificam que seu desejo de satisfação sexual é estimulado já antes de estarem em condições de se casar. Em resultado disso, alguns procuram tirar prazer da excitação que eles próprios praticam com os órgãos sexuais. Isto é masturbação. É correto e sábio fazer isso?
-
19 As Escrituras aconselham: “Amortecei, portanto, os membros do vosso corpo que estão na terra, com respeito à fornicação, impureza, apetite sexual, desejo nocivo e cobiça.” (Colossenses 3:5) Será que aquele que pratica a masturbação ‘amortece os membros de seu corpo com respeito ao apetite sexual’? Ao contrário, ele estimula o apetite sexual. Passa a ansiar uma atividade que ainda não é própria para ele, de maneiras que satisfaz o anseio de modo impuro. (Efésios 4:19) A Bíblia exorta que se evite a espécie de pensamento e conduta que possa criar tais problemas, empenhando-se, em vez disso, em atividade sadia e em cultivar o autodomínio. (Filipenses 4:8; Gálatas 5:22, 23) Quando se faz um empenho sério neste sentido, pode-se evitar tal abuso de si mesmo, com benefícios mentais, emocionais e espirituais para a pessoa.
-
20 O que a Bíblia diz a respeito de “impureza, apetite sexual, desejo nocivo”, aplica-se a todos os cristãos, solteiros ou casados. É verdade que marido e mulher têm o direito bíblico e legal de se empenhar em relações sexuais entre si e de ter satisfação nisso. Mas, significa isso que podem deixar de lado todos os freios? A exortação que a Palavra de Deus faz a todos os cristãos, para cultivarem o autodomínio, argumenta contra tal conceito. (2 Pedro 1:5-8) O escritor bíblico inspirado não precisou explicar aos casados a maneira natural em que os órgãos reprodutivos do marido e da esposa se complementam. As relações homossexuais evidentemente não seguem esta maneira natural. Assim, homossexuais masculinos e femininos usam outras formas de relações no que o apóstolo chama de satisfazer “ignominiosos apetites sexuais” e práticas ‘obscenas’. (Romanos 1:24-32) É razoável que os casados imitem as formas homossexuais de relações nas suas próprias relações maritais e ainda assim fiquem livres de ter tais “ignominiosos apetites sexuais” ou “desejo nocivo” aos olhos de Deus?
-
21 Ao examinar o que as Escrituras dizem, alguém talvez se dê conta de que sua anterior maneira de pensar nestes assuntos foi moldada por pessoas que, conforme diz a Bíblia, ficaram “além de todo o senso moral”. Mas é possível fazer uma mudança. Com a ajuda de Deus, a pessoa se pode “revestir da nova personalidade”, que é moldada segundo a verdadeira justiça. (Efésios 4:17-24) Assim mostrará que fala realmente sério quando diz que quer fazer a vontade de Deus.
-
SEU CONCEITO INFLUI DE MODO VITAL NA SUA PAZ E SEGURANÇA
-
22 Realmente, não é pesado aplicar o conselho da Palavra de Deus com respeito à moralidade sexual. Contraste os frutos do proceder delineado pela Bíblia com a elevada proporção de divórcios, no mundo, seus lares rompidos, os filhos delinqüentes, sua prostituição, e a violência e os assassinatos cometidos em conexão com a paixão sexual. (Provérbios 7:10, 25-27) Quão evidente é a sabedoria da Palavra de Deus! Se rejeitar o modo mundano de pensar, baseado em desejo e cobiça egoístas, e se harmonizar seu modo de pensar com o conselho de Jeová, seu coração se fortalecerá muito com desejos corretos. Em vez de prazeres passageiros de imoralidade sexual, usufruirá uma boa consciência e duradoura paz mental. O matrimônio e os vínculos familiares se fortalecerão com o desenvolvimento da confiança mútua entre os cônjuges e do respeito por parte de seus filhos.
-
23 E não perca de vista que está envolvida a sua própria esperança de vida eterna. A moralidade bíblica contribuirá para mais do que a sua saúde atual. (Provérbios 5:3-11) Formará parte da evidência de que realmente lamenta as coisas detestáveis feitas por aqueles que hipocritamente professam crer em Deus, e que foi ‘marcado’ para a sobrevivência para a “nova terra”, de Deus, onde há de morar a justiça. Então, quão vital é que ‘faça o máximo para ser finalmente achado por Deus sem mancha nem mácula, e em paz’. — Ezequiel 9:4-6; 2 Pedro 3:11-14.
Continue lendo...

Saiba o significado da oração do Pai-Nosso

A ORAÇÃO do Pai-Nosso, proferida por Jesus Cristo no Sermão do Monte, está na Bíblia em Mateus, capítulo 6, versículos 9 a 13. Pouco antes de ensinar essa oração, Jesus disse: “Ao orares, não digas as mesmas coisas vez após vez, assim como fazem os das nações, pois imaginam que serão ouvidos por usarem de muitas palavras.” — Mateus 6:7.

Portanto, é evidente que Jesus não pretendia que a oração do Pai-Nosso fosse repetida palavra por palavra. É verdade que, mais tarde, ele repetiu essa oração para que outros também a aprendessem. (Lucas 11:2-4) Mas a fraseologia da oração no relato evangélico de Mateus difere um pouco da do evangelho de Lucas. Além disso, outras orações que Jesus e os seus discípulos fizeram posteriormente não seguiram rigidamente as palavras da oração-modelo.

Por que o Pai-Nosso foi registrado na Bíblia? Por meio desse modelo, Jesus nos ensinou como nossas orações podem tornar-se aceitáveis para Deus. Nessa oração, encontramos também respostas a algumas das perguntas básicas sobre a vida. Portanto, consideremos cada parte do Pai-Nosso.

“Nosso Pai nos céus, santificado seja o teu nome. Venha o teu reino. Realize-se a tua vontade, como no céu, assim também na terra. Dá-nos hoje o nosso pão para este dia; e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também temos perdoado aos nossos devedores. E não nos leves à tentação, mas livra-nos do iníquo.” — Mateus 6:9-13

Qual é o nome de Deus? (Veja aqui)

“Nosso Pai nos céus, santificado seja o teu nome.”(Mateus 6:9) Essas palavras iniciais da oração-modelo nos ajudam a nos achegar a Deus por nos dirigirmos a ele como “nosso Pai”. Assim como uma criança, que por natureza se sente atraída a seu pai amoroso e compreensivo, podemos achegar-nos ao nosso Pai celestial, confiantes de que ele quer nos ouvir. “Ó Ouvinte de oração”, cantou o Rei Davi, “sim, a ti chegarão pessoas de toda carne”. — Salmo 65:2.

Jesus nos ensinou a orar a Deus pedindo que santifique, ou torne santo, o Seu nome. Mas qual é o nome de Deus? A Bíblia responde com as seguintes palavras: “Tu, cujo nome é Jeová, somente tu és o Altíssimo sobre toda a terra.” (Salmo 83:18) Já leu alguma vez o nome Jeová na sua Bíblia?

Realmente, o nome de Deus, Jeová, ocorre quase 7.000 vezes nos antigos manuscritos bíblicos. No entanto, alguns tradutores foram a ponto de remover esse nome das suas versões da Bíblia. Portanto, é correto orarmos que o Criador santifique o seu nome, ou o torne santo. (Ezequiel 36:23) Um modo de agir em harmonia com essa oração é usarmos o nome Jeová quando oramos a Deus.

Uma senhora chamada Patrícia, que foi criada como católica, conhecia muito bem o Pai-Nosso. Como reagiu quando uma Testemunha de Jeová lhe mostrou na Bíblia o nome de Deus? “Nem podia acreditar no que eu estava ouvindo!” exclamou. “De modo que fui pegar a minha própria versão da Bíblia, e nela também constava o nome de Deus. A Testemunha me mostrou então Mateus 6:9, 10, e explicou que o nome de Deus está relacionado com o Pai-Nosso. Fiquei muito interessada e pedi que ela estudasse a Bíblia comigo.”

A vontade de Deus será realizada na Terra

“Venha o teu reino. Realize-se a tua vontade, como no céu, assim também na terra.” (Mateus 6:9, 10) Como se cumprirá essa parte da oração-modelo de Jesus? A maioria das pessoas imagina que o céu seja um lugar de paz e de tranqüilidade. As Escrituras referem-se ao céu como “morada excelsa de santidade e beleza” de Jeová. (Isaías 63:15) Não é de admirar que oremos que a vontade de Deus seja realizada na Terra assim “como no céu”! Mas será que isso acontecerá algum dia?

Daniel, profeta de Jeová, predisse: “O Deus do céu estabelecerá um reino que jamais será arruinado. E o próprio reino não passará a qualquer outro povo. Esmiuçará e porá termo a todos estes reinos [terrestres], e ele mesmo ficará estabelecido por tempos indefinidos.” (Daniel 2:44) Esse reino, ou governo, celestial agirá dentro em breve para trazer paz global por meio de um governo justo. — 2 Pedro 3:13.

Orar pela vinda do Reino de Deus e para que a Sua vontade seja feita na Terra é uma manifestação de fé, que não trará desapontamento. João, o apóstolo cristão, escreveu: “Ouvi uma voz alta do trono dizer: ‘Eis que a tenda de Deus está com a humanidade, e ele residirá com eles e eles serão os seus povos. E o próprio Deus estará com eles. E enxugará dos seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem clamor, nem dor. As coisas anteriores já passaram.’ ” Depois João acrescentou: “Escreve, porque estas palavras são fiéis e verdadeiras.” — Revelação (Apocalipse) 21:3-5.

Orar pelas necessidades materiais

Na oração-modelo, Jesus mostrou que a nossa preocupação primária deve estar relacionada com o nome e a vontade de Deus. No entanto, a oração-modelo prossegue com pedidos pessoais, feitos corretamente a Jeová.

O primeiro deles é: “Dá-nos hoje o nosso pão para este dia.” (Mateus 6:11) Isso não é um pedido de riqueza material. Jesus incentivou-nos a orar pelo “nosso pão para o dia, segundo as exigências do dia”. (Lucas 11:3) Em harmonia com o Pai-Nosso, podemos orar com fé que Deus providencie as nossas necessidades diárias, se o amarmos e lhe obedecermos.

Ficarmos indevidamente ansiosos por causa de problemas econômicos poderia fazer-nos descuidar da nossa necessidade espiritual e assim não fazermos o que Deus espera de nós. Mas, se na vida dermos prioridade à adoração a Deus, poderemos ter certeza de que nossos pedidos para as necessidades materiais, tais como alimento e roupa, serão ouvidos favoravelmente. Jesus disse: “Persisti  . . . em buscar primeiro o reino [de Deus] e a Sua justiça, e todas estas outras coisas vos serão acrescentadas.” (Mateus 6:26-33) Buscar a justiça de Deus é um desafio, visto que todos nós somos pecaminosos e precisamos de perdão. (Romanos 5:12) O Pai-Nosso também trata desse assunto.

Nossas orações e o perdão

“Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também temos perdoado aos nossos devedores.”(Mateus 6:12) No registro que Lucas fez do Pai-Nosso, essas “dívidas” se referem aos “pecados”. (Lucas 11:4) Será que Jeová realmente perdoará os nossos pecados?

Embora o Rei Davi, do Israel antigo, tivesse cometido sérios pecados, ele estava arrependido e orou com confiança: “Tu, ó Jeová, és bom e estás pronto a perdoar; e é abundante a benevolência para com todos os que te invocam.” (Salmo 86:5) Que idéia consoladora! Nosso Pai celestial está “pronto a perdoar” os pecados dos que o invocam arrependidos. Com a mesma certeza de que uma dívida pode ser totalmente cancelada, da mesma forma Jeová Deus pode perdoar completamente os nossos pecados.

No entanto, Jesus mencionou uma condição: para sermos perdoados por Deus temos de perdoar os outros. (Mateus 6:14, 15) Embora o justo Jó tenha sido maltratado por três amigos, ele os perdoou e até orou por eles. (Jó 42:10) Se perdoarmos os que pecam contra nós, agradaremos a Deus e estaremos na condição de ser beneficiados pela misericórdia dele.

A disposição de Deus de ouvir as nossas petições deve induzir-nos a procurar a sua aprovação. E podemos fazer isso, embora sejamos imperfeitos. (Mateus 26:41) Também nesse ponto Jeová pode ajudar-nos, conforme Jesus mostrou no importante pedido que conclui a oração-modelo.

Pedir ajuda para adotar um proceder justo

“Não nos leves à tentação, mas livra-nos do iníquo.”(Mateus 6:13) Jeová não nos abandona numa tentação, nem nos faz cair no pecado. Sua Palavra declara: “Por coisas más, Deus não pode ser provado, nem prova ele a alguém.” (Tiago 1:13) Deus permite que sejamos tentados, mas ele pode livrar-nos do Grande Tentador — o “iníquo”, conhecido como Satanás, o Diabo.

O apóstolo Pedro aconselhou os seus irmãos: “Mantende os vossos sentidos, sede vigilantes. Vosso adversário, o Diabo, anda em volta como leão que ruge, procurando a quem devorar.” (1 Pedro 5:8) De fato, Satanás tentou até mesmo o homem perfeito Jesus Cristo! Qual era o objetivo do Diabo? Desviar Jesus da adoração pura de Jeová Deus. (Mateus 4:1-11) Se você está procurando servir a Deus, o objetivo de Satanás é devorá-lo também!

Por meio do mundo que está sob o seu controle, o Diabo pode nos tentar a praticar coisas que Deus desaprova. (1 João 5:19) Por isso é vital que recorramos regularmente a Deus em busca de ajuda, especialmente quando nos confrontamos com uma tentação persistente. E se adorarmos a Jeová segundo a sua Palavra inspirada, a Bíblia, ele nos libertará por ajudar-nos a resistir ao Diabo. “Deus é fiel”, nos diz a Bíblia, “e ele não deixará que sejais tentados além daquilo que podeis agüentar”. — 1 Coríntios 10:13.

É essencial termos fé em Deus

Como é animador saber que o nosso Pai celestial está interessado em cada um de nós! Até mesmo providenciou que seu Filho, Jesus Cristo, nos ensinasse a orar. Isso certamente nos motiva a querer agradar a Jeová Deus. Como podemos fazer isso?

A Bíblia declara: “Sem fé é impossível agradar-lhe bem, pois aquele que se aproxima de Deus tem de crer que ele existe e que se torna o recompensador dos que seriamente o buscam.” (Hebreus 11:6)

Esperamos que esta consideração da oração do Pai-Nosso tenha aprofundado seu apreço pelo significado dela. Obter mais conhecimento sobre Jeová e sobre as recompensas que ele promete aos “que seriamente o buscam” fortalecerá a sua fé em Deus. Aprenda mais sobre ele e os seus propósitos para que você possa ter para sempre um relacionamento achegado com o seu Pai celestial. — João 17:3.
Continue lendo...

O Espiritismo é a sabotagem da verdade

Espiritismo A Sabotagem da Verdade
a) Negam a existência do Céu como lugar de felicidade

A felicidade dos espíritos bem-aventurados não consiste na ociosidade contemplativa, que seria, como temos dito muitas vezes, uma eterna e fastidiosa inutilidade (“O Céu e o Inferno”, p. 722. Editora Opus Ltda., 2ª edição especial, 1985).

Em que se deve entender a palavra céu? Achais que seja um lugar, como aglomerados, sem outra preocupação que a de gozar, pela eternidade toda, de uma felicidade passiva? Não; é o espaço universal; são os planetas, as estrelas (“ O Livro dos Espíritos”, p. 250. Editora Opus Ltda., 2ª edição especial, 1985).

Resposta Apologética:

Os espíritas zombam da idéia do céu como lugar de felicidade eterna. Costumam citar João 14.2: Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E dizem: A casa de meu Pai é o Universo; as diversas moradas são os mundos que circulam no espaço infinito e oferecem estâncias adequadas ao seu adiantamento (“O Evangelho Segundo o Espiritismo”, p. 556. Editora Opus Ltda., 2ª edição especial, 1985).

O texto citado de João 14.2 conclui da seguinte forma: vou preparar-vos lugar; e no versículo 3 afirma: para que onde eu estiver estejais vós também.

Ora, daí se nota que, primeiro, o céu é um lugar e, segundo, os que pertencem a Jesus estarão no mesmo lugar onde Jesus foi. E sabemos que Ele foi para o céu e sentou-se à direita de Deus (Mc 16.19; Hb 8.1; Ap 3.21). Jesus prometeu mais que os seus estariam onde Ele estivesse (Jo 17.24). Paulo falou da sua esperança celestial (Fp 3.20-21); o mesmo falou Pedro (1 Pe 1.3).

b) Negam o inferno como lugar de tormento eterno e consciente

(Jesus) Limitou-se a falar vagamente da vida bem-aventurada, dos castigos reservados aos culpados, sem referir-se jamais nos seus ensinos a castigos corporais, que constituíram para os cristãos um artigo de fé (“O Céu e o Inferno”, p. 726. Editora Opus Ltda., 2ª edição especial, 1985).

Resposta Apologética:

Jesus não falou vagamente sobre os castigos reservados aos culpados. Falou claramente em Mateus 25.41, 46 sobre o sofrimento eterno dos injustos. Neste último versículo, Jesus declarou que a duração da felicidade dos justos é igual à duração do castigo dos injustos: E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna. Outros textos onde Jesus empregou palavras que indicam duração sem fim do castigo reservado aos ímpios (Mateus 5.22-29; 10.28; 13.42, 49-50; Mc 9.43-46; Lc 6.24; 10.13-15; 12.4-5; 16.19-31). Nos textos citados aparecem as expressões tais como:

a) suplício eterno;
b) fogo eterno;
c) fogo inextinguível;
d) onde o bicho não morre e o fogo não se apaga;
e) trevas exteriores;
f) choro e ranger de dentes.

c) Negam a existência do diabo e demônios como pessoas reais espirituais

Satã, segundo o espiritismo e a opinião de muitos filósofos cristãos, não é um ser real; é a personificação do mal, como nos tempos antigos Saturno personificava o tempo (“O Que é o Espiritismo”, p. 297. Editora Opus Ltda., 2ª edição especial, 1985).

Há demônios, no sentido que se dá a essa palavra? Se houvesse demônios, seria obra de Deus. E Deus seria justo e bom, criando seres, eternamente voltados ao mal? (“O Livro dos Espíritos”, pp. 72-74. Editora Opus Ltda., 2ª edição especial, 1985).

A propósito de Satanás, é evidente que se trata da personificação do mal sob uma forma alegórica (“O Livro dos Espíritos”, p. 74. Editora Opus Ltda., 2ª edição especial, 1985).

Resposta Apologética:

Deus não criou um ser maligno, mas um anjo de luz que se transviou (Is 14.12-14; Ez 28.14-16); Jesus disse que ele não permaneceu na verdade (Jo 8. 44). Trata-se de uma personalidade real, pois:

a) É mencionado entre pessoas espirituais (Jó 1.6);
b) Conversou com Jesus no monte, tentando-o (Mt 4. 1-10);
c) É uma pessoa inteligente, que faz planos para ludibriar os outros (Jo 8.44; 1 Pe 5.8);
d) Está condenado ao fogo eterno (Ap 20.10).

d) Negam a ressurreição do corpo

Em que se torna o Espírito depois de sua última encarnação?
Em puro Espírito (“O Livro dos Espíritos”, p. 84. Editora Opus Ltda., 2ª edição especial, 1985).
Resposta Apologética:

A ressurreição do corpo é uma doutrina enfatizada na Bíblia. Isaías que viveu cerca de 600 anos antes de Jesus, já afirmava no seu livro (26.19): Os teus mortos e também o meu cadáver viverão e ressuscitarão; despertai e exultai, os que habitais no pó, porque o teu orvalho será como o orvalho das ervas, e a terra lançará de si os mortos.

Ainda no Antigo Testamento encontramos exemplos de ressurreição realizados por Elias e Eliseu (1 Rs 17.17-24; 2 Rs 4.32-37). Jesus falou da ressurreição futura de todos os mortos em João 5.28-29. Quando Lázaro morreu, sua irmã Marta revelou crer na ressurreição. Ao ouvir que Jesus se aproximava: Disse, pois, Marta a Jesus: Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido. Mas também agora sei que tudo quanto pedires a Deus, Deus to concederá. Disse-lhe Jesus: Teu irmão há de ressuscitar. Disse-lhe Marta: Eu sei que há de ressuscitar na ressurreição do último dia (João 11.21-24). O mesmo fez Paulo em Atos 24.15: Tendo esperança em Deus, como estes mesmos também esperam, de que há de haver ressurreição de mortos, assim dos justos como dos injustos. No Juízo Final, diante do trono branco, todos irão ressuscitar, até mesmo os mortos nos mares, para prestar contas a Deus de seus atos praticados no corpo: E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros… E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. E deu o mar os mortos que nele havia… (Ap 20.11-15).

e) Negam a inspiração divina da Bíblia

A Bíblia contém evidentemente fatos que a razão, desenvolvida pela ciência, não pode aceitar, e outros que parecem singulares e que repugnam, por se ligarem a costumes que não são mais os nossos… A ciência, levando as suas investigações desde as entranhas da terra até as profundezas do céu, demonstrou, portanto, inquestionavelmente os erros da Gênese mosaica… Incontestavelmente, Deus que é a pura verdade, não podia conduzir os homens ao erro, consciente, nem inconscientemente, do contrário não seria Deus. Se, portanto, os fatos contradizem as palavras atribuídas a Deus, é preciso concluir logicamente que Ele as não pronunciou ou que foram tomadas em sentido contrário.(“A Gênese”, p. 936. Opus Ltda; 2ª edição especial, 1985).

Resposta Apologética:

O espiritismo nega a criação do homem conforme descrita no livro de Gênesis 1.26-27 e 2.7. Acredita no evolucionismo. Por isto, admite que o registro bíblico não deve ser tomado literalmente, mas apenas em sentido figurado. Jesus reiterou a criação dos seres humanos, descrita em Gênesis 1.26-27, ao dizer: Não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez (Mt 19.4). Em Hebreus 11.3, lemos que: Pela fé entendemos que os mundos pela Palavra de Deus foram criados; de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente. E, assim, outros textos confirmam a descrição do Gênesis (Sl 19.1; 24.1). Posto isto, aceitamos as declarações de 2 Timóteo 3.16-17 que toda a Bíblia é inspirada e é a inerrante Palavra de Deus (1 Ts 2.13). A ciência, na qual se baseia o espiritismo, está mudando de opinião freqüentemente, de modo que não pode ser levada a sério, pois não tem a última palavra.

f) Negam a doutrina da Trindade

Examinemos os principais dogmas e mistérios, cujo conjunto constitui o ensino das igrejas cristãs. Encontramos a sua exposição em todos os catecismos ortodoxos. Começa com essa estranha concepção do Ser divino, que se resolve no mistério da Trindade, um só Deus em três pessoas, o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Essa concepção trinitária tão obscura, incompreensível… (“Cristianismo e Espiritismo”, 7a edição 1978, p. 86).

Resposta Apologética:

Definindo a doutrina da Trindade apontamos a existência de um só Deus eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Estas três pessoas constituem um só Deus, o mesmo em natureza, sendo as pessoas iguais em poder e glória.
Tal definição pode ser explanada e biblicamente provada seguindo três fatos:
a) Existe um só Deus (Dt 6.4; Is 43.10; 45.5-6). Trata-se de unidade composta como se lê em Gn 2.24 (serão dois uma só carne).
b) Esse único Deus é constituído de uma pluralidade de pessoas (Gn 1.26; 3.22; 11.7; Is 6.1-3,8), textos que empregam o verbo façamos, o pronome nossa e nós.
Isto pode ser visto ainda pela seguinte comparação entre as seguintes passagens:
1. Em Isaías 6.1-3, quando Isaías disse que viu o Senhor;
2. Em Jo 12.37-41, João disse que Isaías viu Jesus, quando viu o Senhor;
3. Em Is 6.8-9, se lê que o Senhor falou a Isaías. Ainda no versículo 8 se lê: A quem enviarei e quem irá por nós?
4. Em At 28.25, Paulo declara que quem falou a Isaías foi o Espírito Santo.
a) Há três Pessoas na Bíblia que são chamadas de Deus e que são eternas por natureza:
1. O Pai (2 Pe 1.17);
2. O Filho (Jo 1.1; 20.28; Rm 9.5; Hb 1.8)
3. O Espírito Santo (At 5.3-4).
O vocábulo Trindade foi usado pela primeira vez por Teófilo de Antioquia em 189 a.D. (no livro “Epístola a Autolycus” 2.15).

g) Negam os Milagres de Jesus

Convém, pois riscar os milagres do rol das provas em que pretendem basear a divindade do Cristo (“Obras Póstumas”, 1172. Editora Opus Ltda., 2ª edição especial, 1985).

Resposta Apologética:

Os espíritas negam a deidade absoluta de Jesus. Conseqüentemente, negam também os milagres arrolados na Bíblia. Para os espíritas, Jesus é apenas um médium.

Com isso Allan Kardec procura explicar os milagres atribuídos a Jesus, da forma como se fora um médium, que exibe poderes extra-sensoriais. Descreve e explica os milagres de Jesus.

h) Pesca Maravilhosa – Lucas 5.1-7

A pesca qualificada de miraculosa explica-se igualmente pela dupla vista, Jesus de modo algum produziu espontaneamente peixes onde os não havia; mas viu, como um vidente lúcido acordado, pela vista da alma, o lugar onde se achavam os peixes, e pôde dizer com segurança aos pescadores que lançassem ali as suas redes(“A Gênese”, p. 1036. Editora Opus Ltda., 2ª edição especial, 1985).

Resposta Apologética:

Ora, quando Jesus pediu a Pedro que lançasse as redes ao mar, Pedro muito naturalmente respondeu como pescador: Mestre, havendo trabalhado toda a noite, nada apanhamos; mas, sobre a tua palavra, lançarei a rede(Lc 5.5). Não havia peixe. Foi sobre a autoridade da palavra de Jesus que a rede foi lançada. E, então, o milagre foi realizado. Jesus era onisciente, e não um vidente lúcido acordado, que pela vista da alma, pudesse ver o lugar onde se achavam os peixes. Ele viu Natanael debaixo da videira (Jo 1.48-51). Jesus não precisava receber referências sobre as pessoas. Conhecia-as todas (Jo 2.24-25).

i) A cura da mulher que sofria de fluxo de sangue – Marcos 5.25-34

Estas palavras – conhecendo ele próprio a virtude que saíra de si – são significativas; elas exprimem o movimento fluídico que se operara de Jesus para com a mulher doente; ambos sentiram a ação que se acabava de produzir. É notável que o efeito não fosse provocado por ato algum da vontade de Jesus; não houve magnetização, nem imposição de mãos. A irradiação fluídica normal foi suficiente para operar a cura (“A Gênese”, p. 1036. Editora Opus Ltda., 2ª edição especial, 1985).

Resposta Apologética:

A mulher, depois de curada, confessou que havia gastado todos os seus bens com os médicos, indo de mal a pior (Mc 5.26). Confessa sua cura radical pelo poder divino de Jesus e não por irradiação fluídica normal. Quase todos, senão todos, os fenômenos espíritas estão cercados de dolo. Se houvesse essa possibilidade aventada por Allan Kardec, já a mulher poderia ter sido curada muito antes porque, admite-se, devia haver outros homens nos dias de Jesus com essa ridícula irradiação fluídica normal. Doze anos de sofrimento e depois a cura milagrosa realizada imediatamente por Jesus e não por um médium que precisa de ocasião preparatória para exibir esse tipo de irradiação fluídica.

j) A cura do cego de nascença – João 9. 1-7

Aqui, o efeito magnético é evidente; a cura não foi instantânea, mas gradual e seguida de ação sustentada e reiterada, apesar de ser mais rápida do que na magnetização ordinária (“A Gênese”, p. 1037. Editora Opus Ltda., 2ª edição especial, 1985).

Resposta Apologética:

Por que esse efeito magnético evidente não se manifesta espontaneamente entre os médiuns espíritas nos dias atuais?

k)A ressurreição do filho da viúva de Naim – Lucas 7.11-17 e a ressurreição da filha de Jairo – Marcos 5.21-43

O fato da volta à vida corporal de um indivíduo, realmente morto, seria contrário às leis da natureza, e, por conseguinte, miraculoso. Ora, não é necessário recorrer a esta ordem de fatos para explicar as ressurreições operadas por Cristo…

Há, pois, toda a probabilidade de que, nos dois exemplos acima, só se dera uma síncope ou uma letargia. O próprio Jesus o diz positivamente sobre a filha de Jairo: Esta menina, diz ele, não está morta, apenas dorme (“A Gênese”, p. 1045. Editora Opus Ltda., 2ª edição especial, 1985).

Resposta Apologética:

Kardec prefere admitir probabilidade de que só se dera uma síncope ou uma letargia a crer nos milagres de Jesus, embora a descrição bíblica deva merecer crédito. Por que a tristeza tão grande manifestada pelos pais dos filhos mortos, tanto no caso da filha de Jairo como no caso do filho da viúva de Naim, se eles estivessem simplesmente acometidos de uma síncope ou letargia? O fato é que o filho morto da viúva de Naim estava sendo conduzido ao cemitério para sepultamento. Sepultar um vivo acometido de síncope? Que descuido fatal cometido por uma mãe chorosa! Para Kardec, isso é mais fácil de explicar do que crer no milagre operado por Jesus.

l) A ressurreição de Lázaro – João 11.1

A ressurreição de Lázaro, digam o que quiserem, não invalida de forma alguma esse princípio. Ele estava, diziam, havia quatro dias no sepulcro; mas sabe-se que há letargias que duram oito dias ou mais (“A Gênese”, p. 1045. Editora Opus Ltda., 2ª edição especial, 1985).

Resposta Apologética:

Quando Allan Kardec explica que Lázaro não estava morto, mas apenas desacordado, negando francamente o texto bíblico que registra as palavras de Jesus, Lázaro está morto (Jo 11.14), já se nota sua pretensão de invalidar o texto bíblico. Prefere explicar o milagre como se fora Lázaro acometido de uma doença conhecida como letargia ou síncope e que tal doença podia durar até oito dias. Se a própria irmã de Lázaro declarou que o corpo do seu irmão morto já cheirava mal: Senhor, já cheira mal, porque é já de quatro dias (Jo 11.39) como ousa Kardec invalidar o texto e lançar uma hipótese contra a explicação dada por alguém presente da própria família do morto? Já se vê que sua intenção é negar a qualquer custo a deidade de Jesus. Julgando absurdo seu argumento, se antecipa e declara: digam o que quiserem… Essa sua explicação é aceita pelos seus adeptos.

m) O milagre da transformação da água em vinho – João 2.1-11
Ele deveria ter feito durante o jantar uma alusão ao vinho e à água, para tirar daí alguma instrução (“A Gênese”, p. 1047, Editora Opus Ltda., 2ª edição especial, 1985).

Resposta Apologética:

Ressalta a incoerência de Kardec em admitir apenas uma alusão ao vinho e à água para daí tirar alguma instrução. Como explicar a admiração do mestre-sala diante do milagre operado por Jesus ao dizer: Todo o homem põe primeiro o vinho bom e, quando já tem bebido bem, então o inferior; mas tu guardaste até agora o bom vinho (Jo 2.10). É certo que bebera literalmente do vinho transformado da água.

n) A multiplicação dos pães – Mateus 14.13-21

A multiplicação dos pães tem intrigado os comentadores e alimentado, ao mesmo tempo, a exaltação dos incrédulos. Estes últimos, sem se darem ao trabalho de sondar o sentimento alegórico, consideram-no um conto pueril; mas a maior parte das pessoas sérias o considera, embora sob forma diferente da vulgar, uma parábola comparando a nutrição espiritual da alma com a nutrição do corpo (“A Gênese”, p. 1047. Editora Opus Ltda., 2ª edição especial, 1985).

Resposta Apologética:

Kardec nada disse dos 12 cestos de pedaços de pão que sobraram depois de todos comerem sobejamente. Eram cinco pães e dois peixes. E comeram todos, e saciaram-se; e levantaram, doze alcofas cheias. E os que comeram foram quase cinco mil homens, além das mulheres e crianças (Mt 14.20-21).

Fonte: Editora ICP
Continue lendo...

Ele foi evangelizar uma tribo de uma 'ilha proibida' e eles o mataram com flechas (Vídeo)

foi evangelizar uma tribo de uma ilha proibida e eles o mataram com flechas

John Allen Chau foi claro que este era um lugar proibido, que a tribo mais isolada vive no mundo, que esses povos indígenas não querem saber nada com ninguém, que são pessoas de poucas palavras e muito violentas ... Mas Chau era o mesmo. .

image

Ele disse a seus amigos que queria evangelizar. E ele morreu perfurado pelas flechas dos sentinelas. Pouco se sabe sobre os membros da comunidade, precisamente porque eles evitam o contato a todo custo. E porque o governo da Índia decidiu protegê-los, um país ao qual eles só pertencem nas formas.

-

Como especialistas calculados a partir National Geographic, estes índios são descendentes de africanos e de cerca de 60.000 anos atrás habitam a ilha Sentinela do Norte, que tem apenas 60 quilômetros quadrados e integra o arquipélago de Andaman, localizado na Baía de Bengala, no Oceano Índico. A Comissão Nacional de Tribos (NCST) afirma que 28.077 indígenas vivem nas Ilhas Andaman.

-

Em 2001, o censo indiano contava 21 homens e 18 mulheres na Sentinela Setentrional, mas levando em conta os antecedentes, foi feito a partir de uma distância logicamente prudente. Uma década depois, em 2011, as autoridades viram apenas 12 homens e 3 mulheres. Pelo menos, ficou claro que as sentinelas haviam sobrevivido ao terremoto e tsunami de 2004 que causaram mais de 250.000 mortes na área indígena.

-

Depois da tragédia, um helicóptero da Guarda Costeira indiana sobrevoou a ilha para ver como eles estavam, se estavam lá. Eles o tiraram com flechas. "Lá percebemos que eles estavam seguros", disse o piloto ironicamente, de acordo com Geeta Pandey, da BBC em Nova Delhi. A partir desse episódio, surgiu uma foto icônica: os sentinelas seminus , na praia, com o arco apontando para cima. É uma das poucas imagens disponíveis:

image

Em 2017 o governo indiano definir penalidades de até 3 anos de prisão para aqueles que tirar fotos ou filmar os nativos do arquipélago. Eles também são poucos verificado na dados Sentinelese: são caçadores e coletores ancorados no passado distante, são saudáveis ​​(mas especialistas acreditam que o contato perigo com outros seres humanos e suas doenças), comunicar-se com sua própria língua e em Finalmente, eles geralmente matam estranhos que se aproximam deles.

-

A ONG Survival International recolhe o caso de Sunder Raj e Pandit Tiwari, 2 pescadores ilegais que em 2006, aparentemente bêbados, acabaram nessas costas. E eles acabaram mortos. A Guarda Costeira tentou recuperar os corpos. Eles foram baleados por flechas novamente. Ao saírem, os policiais conseguiram ver que os sentinelas não tinham comido os invasores: isto é, não eram canibais como sugerem alguns relatos. Apesar de tudo, John Allen Chau era o mesmo.

"Ele era um cidadão dos EUA. Em 16 de novembro, ele foi visto pela última vez vivo por pescadores que o levaram para a ilha ", disse Jatin Narwal, porta-voz da Polícia de Andaman que prendeu sete pessoas ligadas à transferência de Chau para o local proibido. A BBC Hindi contribuiu que o homem, de 27 anos, já havia tentado visitar o Sentinel del Norte.

A investigação oficial menciona que os aborígenes liquidaram "um turista americano" .

A mídia local vazou que ele era um missionário, que ele pretendia cristianizar os Sentineleses e que eles o atacaram assim que ele tocou sua terra. Um relatório da agência AFP diz que Chau, perfurado por flechas, continuou andando até que ele desabou na areia.

ufospain 
Continue lendo...

Exorcista chefe do Vaticano adverte que a ioga provoca "possessão demoníaca"

O principal exorcista do Vaticano manifestou-se em condenação a romances de ioga e fantasia, classificando-os como atos "satânicos" que levam à "possessão demoníaca". Padre Cesare Truqui advertiu que a Igreja Católica viu um recente aumento no mundorelatos de pessoas sendo possuídas por demônios e que a razão para o aumento súbito é o aumento da popularidade de passatempos, como assistir filmes de Harry Potter e praticar Vinyasa.

image

O professor Giuseppe Ferrari, que recentemente participou de uma reunião em Roma, onde autoridades católicas e delegados discutiram como lidar com essa suposta crise de possessão demoníaca, diz que o Vaticano declarou que mostra que "glorificar magos" e atividades como ioga " espíritos satânicos ".
-
A Igreja Católica também determinou que assistir programas de TV como True Blood e The Vampire Diaries que contenham "personagens demoníacos" que são retratados como seres humanos bonitos com características desejáveis ​​e superpoderes, pode atrair os desavisados ​​a brincar com o oculto que poderia levar a "pecaminosos". ações "como prejudicar uma criança.
-
Monsenhor Luigi Negri, arcebispo de Ferrara-Comacchio, que também participou da reunião da crise do Vaticano, afirmou que a homossexualidade é "outro sinal" de que "Satanás está no Vaticano". The Independent relata: Padre Cesare diz que viu muitos indivíduos falando em línguas e exibindo força sobrenatural, dois atributos que sua religião diz indicam a possibilidade de espíritos malignos habitarem o corpo de uma pessoa.
"Há aqueles que tentam transformar as pessoas em vampiros e fazê-los beber o sangue de outras pessoas, ou incentivá-los a ter relações sexuais especiais para obter poderes especiais", afirmou o professor Ferrari na reunião.
"Esses grupos são atraídos pelos chamados jovens vampiros que temos visto muito nos últimos anos."
Yoga é sobre adorar deuses hindus, ou é sobre o envolvimento em alongamento avançado e exercício? Em suas raízes, o yoga é dito ter se originado da antiga adoração de deuses hindus, com as várias poses representando formas únicas de homenagear essas entidades.
-
A partir disso, outras religiões como o catolicismo e o cristianismo concluíram que a prática está fora de sincronia com a sua e que pode resultar em espíritos demoníacos entrando no corpo de uma pessoa.
-
Outros afirmam que a prática de yoga é realmente mais focada em movimentos avançados de alongamento e exercícios físicos e que pode trazer cura e melhoria do bem-estar, como melhora da força do núcleo, melhor circulação e redução do estresse.
-
A intenção da pessoa que pratica yoga, em vez da própria ioga, em outras palavras, é o que define a extensão de como a prática influencia uma pessoa. Mas o padre Truqui vê o yoga como sendo satânico, afirmando que "isso leva ao mal como ler Harry Potter".
-
E para lidar com as conseqüências disso, sua religião teve que trazer outros seis exorcistas, elevando o número total para 12, apenas para lidar com o que ele diz ser um aumento de 100% no número de pedidos de exorcismo sobre nos últimos 15 anos.
"O ministério de realizar um exorcismo é pouco conhecido entre os padres", afirmou o padre Truqui ao The Independent.
"É como treinar para ser jornalista sem saber como fazer uma entrevista." Ao mesmo tempo, o padre Amorth admite que a Igreja Católica Romana ""o Diabo está trabalhando dentro do Vaticano".
"Há casamento homossexual, adoção homossexual, fertilização in vitro [fertilização in vitro] e uma série de outras coisas", acrescentou monsenhor Luigi Negri, arcebispo de Ferrara-Comacchio, sobre o que ele diz ser evidência do mal existencial na sociedade. "Há a aparência glamourosa da negação do homem como definido pela Bíblia."
-
Fonte
Continue lendo...

Profecia - Nosso mundo de ódio, materialismo e medo (Arq.)

Mundo

Nosso mundo de ódio, materialismo e medo, terminará o ciclo num sábado, 22 de Dezembro do ano 2012. Neste dia a humanidade deverá escolher entre desaparecer como espécie pensante, que ameaça destruir o planeta, ou evoluir à integração harmônica com todo o Universo, compreendendo que somos parte deste Todo, e que podemos existir em uma Nova Era de luz.

A primeira profecia diz ainda que a partir de 1999 teríamos apenas 13 anos para realizar as mudanças de consciência e atitude necessárias para desviar nosso caminho da destruição, e avançarmos para uma nova realidade onde a vida se integra com tudo o que existe.

Os Maia sabiam que nosso Sol é um Ser vivo que respira e que de tempos em tempos sincroniza-se com o enorme Organismo do qual faz parte ao receber um raio de luz do centro da galáxia. Esse raio de luz, em ressonância com o Sol, produz em sua superfície o que os cientistas chamam de erupções solares e campos magnéticos. 

Os Maias predisseram que isto sucede em ciclos de 5.125 anos e que a Terra seria afectada pelas mudanças do sol, mediante um deslocamento de seu eixo de rotação e previram que a partir deste movimento se produziriam grandes cataclismos.

Para os Maia, os processos universais, como a 'respiração' da galáxia, são cíclicos e nunca acabam. O que muda é a consciência do homem que passa através deles sempre em um processo de aperfeiçoamento. 
-
A humanidade deve estar preparada para atravessar esse 'portal' previsto pelos Maia, que transformará a Civilização actul em uma civilização com uma freqüência vibratória mais elevada. 
-
Só de maneira individual se pode atravessar a porta que permite evitar o grande cataclismo que sofrerá o planeta, para dar começo a uma Nova Era e  um "sexto ciclo" do Sol.

Os Maia asseguravam que a sua civilização era a quinta iluminada pelo sol. O quinto grande ciclo solar. Que antes, sabiam ter existido na terra outras quatro civilizações, que foram destruídas por desastres naturais. Eles acreditavam que cada civilização é apenas parte da consciência colectiva.

Para os Maia, no último cataclismo, a civilização foi destruída por uma grande inundação (o Dilúvio de que fala a Bíblia), deixando poucos sobreviventes e que seriam seus descendentes. Pensavam que, conscientes no final destes ciclos, muitos seres humanos se preparariam para o que viria, e que, graças a isso, haviam de conseguir conservar sobre o planeta a espécie pensante: o homem. Dizem-nos que a mudança temporal nos permitirá ascender a uma nova etapa consciêncial, direcionando-nos a uma Nova Civilização que se manifestará mais harmoniosa, vivendo mais de acordo com a sua verdadeira condição.

A primeira profecia nos fala no "tempo-do-não-tempo". Um período de 20 anos, chamado por eles de Katum - os últimos vinte anos deste grande ciclo solar de 5.125 anos. De 1992 a 2012, profetizaram os maias, que durante este tempo manchas e ventos solares, cada vez mais intensas, apareceriam no sol. 

Que desde 1992 a humanidade entraria em um último período de grandes aprendizados, de grandes mudanças. Que a nossa própria conduta de depredação e contaminação do planeta contribuiria para que estas mudanças acontecessem. 

A primeira profecia disse que estas mudanças vão acontecer para que compreendamos a mecânica do Universo, e avancemos para níveis superiores, deixando para trás o materialismo, a dor e o sofrimento.

O livro sagrado Maia - Chilam Balam - diz que, ao final do último Katum, cidades serão destruídas e, haverá um tempo de obscuridade, mas que logo chegará a seara futura - os homens do sol, que despertarão a Terra pelo norte e pelo oeste. 

Disseram que as palavras de seus sacerdotes seriam ouvidas por todos, como um guia para o despertar. Eles falam desta época, como o tempo em que a humanidade entrará no Grande Salão dos Espelhos. Uma época de mudanças, para o homem se confrontar consigo mesmo e analise e reveja seu comportamento consigo e com o Todo. Uma época para que toda a humanidade, por decisão consciente, mude e elimine o medo e a falta de respeito em todas as relações.

Vejam também:

Continue lendo...

VEJA TAMBÉM!

ULTIMAS NOTICIAS

 
Copyright © 2016 SAIBA TA NA NET • All Rights Reserved.
Template Design by ORIGINAIS OADM • Powered by Blogger
back to top