Mostrando postagens com marcador RUSSIA UFOLOGIA. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador RUSSIA UFOLOGIA. Mostrar todas as postagens

Eles afirmam que o profundo lago Issik Kul, na Rússia, é povoado por uma raça de humanóides gigantes.

Eles afirmam que o profundo lago Issik Kul, na Rússia, é povoado por uma raça de humanóides gigantes.
A Rússia é o lar de um grande número de enigmas e mistérios, cada um mais estranho que o outro. O seguinte caso, no Lago Issik Kul, não é exceção. Existem humanóides gigantes nos lagos profundos deste país frio?
image
Embora esses eventos particulares vêm ocorrendo há milhares de anos, nossa história começa em 1930, quando um investigador paranormal chamado Ilya Grabovsky estava explorando acontecimentos estranhos que rodeabann Lago Issyk Kul um 'bem' água de grande profundidade localizado nas montanhas do norte de Tian Shan. "Issik Kul" significa "Lago Quente", uma referência ao fato de que o lago nunca congela, apesar de estar cercado por montanhas geladas.
-
Grabovsky tinha ouvido lendas sobre cavernas escondidas na área, então ele contatou um local. A princípio, o homem relutou em descrever sua experiência, mas o investigador paranormal finalmente o convenceu a transmitir seu conhecimento. Ele disse a Grabovsky que ele e seus amigos estavam pescando na margem noroeste do lago, quando viram uma caverna. Era inacessível, então eles decidiram voltar no dia seguinte com cordas, lanternas e picaretas.
-
No dia seguinte, os homens começaram a explorar a caverna e fizeram uma descoberta surpreendente em seu setor mais interno. Eles descobriram três esqueletos humanos, cada um com mais de dez metros de altura. Em torno de seus pescoços, cada esqueleto tinha um amuleto de prata na forma do que os homens descreveram como "morcego". Um aspecto interessante, já que tem havido vários relatos descrevendo OVNIs dessa maneira particular, não apenas na Rússia, mas também no resto do mundo.
-
Ainda mais intrigante é uma lenda local do Quirguistão que se refere a uma cidade submersa no fundo do lago Issik Kul. O último governante da cidade antiga tinha sido o rei Ossounes, um gigante com "orelhas compridas". A lenda também menciona que Ossounes foi capaz de voar entre os picos das montanhas "em um piscar de olhos".
-
Esta descoberta assustou os homens o suficiente para manter o silêncio sobre isso há anos, mas não o suficiente para deixar para trás amuletos de prata. Derreteram as jóias e venderam a prata, mas guardaram um pequeno fragmento como lembrança. Nenhuma fotografia deste fragmento sobrevivido até hoje, mas Grabovsky mais tarde escreveu que os cientistas soviéticos que tiveram a oportunidade de examinar foram incapazes de determinar sua idade exata.
-
Intrigado com a confissão do pescador, Grabovsky decidiu aprofundar o mistério. Examinando arquivos locais, ele tropeçou na primeira menção de criaturas gigantescas semelhantes, que datam de meados de 1800. Um grupo de crianças georgianas (na época, a Geórgia era parte do Império Russo) estava mergulhando para mexilhões em Issik Kul lago quando eles passaram a entrada de uma caverna subaquática no interior da montanha nas proximidades. Como você provavelmente adivinhou, a caverna era o lar dos últimos restos mortais de vários gigantes. Apesar de seus melhores esforços, Grabovsky nunca encontrou esta caverna. Ou talvez ele fez, mas ele permaneceu em silêncio. De qualquer forma, a versão oficial é que ele morreu sem compartilhar os resultados de seu trabalho com o resto do mundo. Mas este não é o fim da história.
-
No início dos anos 80, o Lago Issik Kul tornou-se o local para testes soviéticos de torpedos, mísseis submarinos e equipamento de mergulho militar. Foi também um dos lugares onde o exército soviético realizou o treinamento contínuo de mergulhadores de reconhecimento conhecidos como "os homens-rãs". Outro lugar era o agora famoso Lago Baikal.
image
Diz-se que em 1982, durante um exercício de treinamento de 'homem-rã' no Lago Baikal, os mergulhadores encontraram um estranho grupo de 'nadadores' embaixo d'água. Estes humanóides aquáticos eram enormes (mais de 3 metros de altura) e, apesar de nadarem em águas geladas, usavam apenas trajes de prata apertados. Embora os seres fossem vistos a uma profundidade de mais de 45 metros, nenhum deles usava algo parecido com um equipamento de mergulho. Eles só tinham capacetes na forma de uma esfera que escondia suas cabeças.
-
Esta reunião supostamente levou os líderes militares soviéticos a tentar uma expedição para capturar um ou todos os humanóides debaixo d'água, e um grupo de sete homens-rãs foi enviado para a área. O ex-veterano de guerra afegão e autor Mark Shteynberg, que investigou extensivamente este caso, recorda:
-
"À medida que os mergulhadores tentaram cobrir a criatura com uma rede, toda a equipe foi impelido para fora das águas profundas para a superfície por uma força poderosa. Porque os mergulhadores autónomos não permite à tona a partir de tais profundidades sem a estrita observância do processo de paradas de descompressão, todos os membros da expedição malfadada foram atacados pela doença de descompressão ou caixão doença . O único tratamento curativo disponível consistiu em um isolamento imediato sob condições de descompressão em uma câmara de pressão. Eles tinham várias câmaras de pressão, como na região militar, mas apenas uma estava em condições operacionais. Isso não pode conter mais do que duas pessoas. Aqueles comandantes locais forçaram quatro mergulhadores a entrar na câmara. Como resultado, três deles (incluindo o CO do grupo) morreram e os demais foram desativados ".
Como conseqüência direta deste incidente, o general V. Demyanko, o comandante do Serviço Militar Buso da URSS, foi transferido para a base militar de Issik Kul para informar as autoridades locais sobre os perigos de tentar capturar humanóides submarinos gigantes. Isso serve como prova de que o alto comando soviético estava bem ciente da presença de tais criaturas, tanto no Lago Baikal quanto em Issik Kul. Teria sido emitida uma ordem contra sua captura se as criaturas não fossem reais?
-
Não muito tempo depois, as Forças de Defesa do Ministério da Defesa emitiram um boletim dirigido à sede da região militar do Turcomenistão. O boletim apontava para muitos outros lagos onde relatos de humanoides aquáticos semelhantes foram relatados, junto com os habituais discos voadores e esferas que ascendem e mergulham nas profundezas. Isso nos leva a acreditar que os incidentes no Lago Baikal e em Issik Kul não foram eventos singulares, mas sim expressões de um fenômeno muito mais amplo.
-
La veracidad de este incidente es apoyado por la admisión del escritor ruso Mikhail Demidenko. Después de familiarizarse con el relato de Shteynberg en 1992, Demidenko recordó pasar algún tiempo en el lago Baikal a mediados de la década de 1980, en una misión de la Unión de Escritores de la URSS. Fue allí donde los pescadores Irkutsk le contaron cómo vieron a los buzos soviéticos siendo lanzados fuera del agua y continuaron su ascenso a una altura de 9-15 metros por encima de la superficie. Los pescadores no sabían sobre el episodio humanoide bajo el agua y se había estado preguntando por qué los militares soviéticos sometían a sus buzos a este tipo de pruebas.
-
Então, este é o caso de evidências definitivas de que os lagos russos abrigam uma raça de humanóides aquáticos gigantes? Não é suficiente, pois é necessário um teste mais palpável. Mas a existência continuada de lendas e confissões de oficiais militares de alto escalão aposentados, como o Coronel Vladimir Azhazha, parece sugerir que algo está à espreita nas profundezas inexploradas do nosso planeta. O que você acha disso? Deixe seu comentário abaixo!
image
-
Continue lendo...

Russia: O misterioso Incidente Dyatlov Pass

image
-
Incidente do Passo Dyatlov foi um evento que resultou na morte de nove esquiadores ao norte dos montes Urais na noite de 2 de fevereiro de 1959. O incidente aconteceu na costa leste da montanha Kholat Syakhl, cujo nome em mansi significa “Montanha dos Mortos”. Desde então, o passo de montanha onde o incidente ocorreu é chamado de Passo Dyatlov, baseado no nome do líder do grupo, Igor Dyatlov.
-
A ausência de testemunhas e as investigações subsequentes acerca da morte dos esquiadores inspiraram intensas especulações. Investigadores da época determinaram que o esquiadores rasgaram suas barracas de dentro para fora, fugindo a pé sob forte nevasca. Apesar dos corpos não demonstrarem sinais de luta, duas vítimas apresentavam o crânio fraturado e duas tinham costelas partidas. Sinais de envelhecimento precoce, bem como altos níveis de radiação e pigmentação incomum na pele das vítimas foram também observados.
-
As autoridades soviéticas determinaram que uma “força incontrolável desconhecida” provocara as mortes; o acesso à região foi consequentemente bloqueado a esquiadores e aventureiros por três anos após o incidente.
-
Reconstrução dos fatos:
- Um grupo foi formado para uma expedição ao norte das Urais, em Oblast de Sverdlovsk. Liderado por Igor Dyatlov, consistia de oito homens e duas mulheres, a maioria estudantes ou graduados do Instituto Politécnico de Ural (atualmente Universidade Técnica Estadual de Ural).
-
O objetivo da expedição era alcançar Otorten, uma montanha situada 10 quilômetros ao norte do local do incidente. Esta rota, naquela temporada, era classificada como “categoria III”, a mais difícil. Todos os integrantes possuíam experiência em excursões de esqui e expedições em montanhas.
-
O grupo viajou de trem para Ivdel, cidade ao centro da província de Oblast de Sverdlovsk, desembarcando ali em 25 de janeiro. Eles então tomaram um caminhão para Vizhai, o último assentamento inabitado ao norte, começando a marcha em direção a Otorten em 27 de janeiro. No dia seguinte, um dos integrantes, Yuri Yudin, foi forçado a voltar devido a problemas de saúde.
-
Diários e câmeras encontrados em seu último acampamento tornaram possível rastrear a derradeira rota do grupo no dia anterior ao incidente. Em 31 de janeiro, eles chegaram na beira de um morro e prepararam-se para escalá-lo. Em um vale silvestre, eles estocaram comida e equipamento extra, que seriam utilizados mais tarde na viagem de volta.
No dia seguinte, 1 de fevereiro, os esquiadores começaram a descer o passo. Ao que parece eles planejavam atravessar o local e acampar do outro lado durante a noite seguinte, mas devido à piora nas condições meteorológicas, com tempestades de neve e declínio de visibilidade, o grupo acabou se perdendo e seguindo para oeste, subindo em direção ao topo do Kholat Syakhl. Quando perceberam o equívoco, eles decidiram parar e montar acampamento no declive da montanha.
Dyatlov combinou que mandaria uma mensagem telegráfica para seu clube esportivo assim que o grupo retornasse a Vizhai. Estimava-se que isso ocorreria por volta de 12 de fevereiro, mas mesmo com o passar da data não houve reação, pois atrasos eram comuns em expedições desse tipo.
-
Em 20 de fevereiro, depois que familiares dos viajantes exigiram uma operação de resgate, os administradores do instituto enviaram as primeiras equipes de busca, formadas por alunos e professores voluntários. Posteriormente, o exército e forças policiais foram envolvidas, com aviões e helicópteros requisitados a juntar-se à operação.
-
Em 26 de fevereiro, as equipes de busca encontraram o acampamento abandonado em Kholat Syakhl.
-
A barraca estava arruinada, e um conjunto de pegadas seguiam até a margem de um bosque próximo, estando cobertas por neve após 500 metros.
-
Na beira da floresta, sob um grande e antigo pinheiro, foram encontrados os restos de uma fogueira, juntamente com os primeiros dois corpos, descalços e usando apenas roupa de baixo.
-
Entre o pinheiro e o acampamento estavam outros três corpos, mortos em posição que sugeria que estivessem tentando voltar às barracas. Eles foram encontrados separadamente, a distâncias de 300, 480 e 630 metros do pinheiro.
-
A busca pelos quatro esquiadores restantes levou mais de dois meses. Eles foram finalmente encontrados em 4 de maio, debaixo de quatro metros de neve, em uma ravina embrenhada na mata próxima ao pinheiro.
-
As circunstâncias são muito estranhas:
-
1 – As barracas foram cortadas DE DENTRO PARA FORA.
-
2 – Apavorados, correram COM O QUE TINHAM NO CORPO para fugir sabe-se lá do quê, sem nem mesmo preocuparem-se em colocar botas ou pegar suprimentos.
-
3 – 500 Metros depois, as pegadas DESAPARECERAM. Ou aprenderam a levitar mesmo com o peso extra da merda nas calças, ou foram violentamente arrebatados do chão.
-
4 – Alguns corpos apresentavam fraturas no crânio e nas costelas SEM MARCA APARENTEde qualquer trauma na pele. Como se as pancadas ocorressem de DENTRO PARA FORA.
-
5 – Alguns corpos apresentaram envelhecimento precoce e cabelos brancos, outros apresentavam coloração alaranjada na pele, e TODOS apresentaram NÍVEIS INTENSOS DE RADIAÇÃO.
-
6 – A língua de um dos montanhistas foi ARRANCADA.
-
Acompanhe o trecho á respeito do ocorrido, mostrado no episódio 10 da temporada 3 de Ancient Aliens:
-
-
Bem… Pudemos notar que o documentário limitou-se a mostrar apenas os dois primeiros incidentes, mas não agregou o terceiro, onde uma queda de avião em 1991 matou outras nove pessoas. praticamente no MESMO LOCAL. Que fixação é essa pelo número 9? Como explicar esse incidente? Teriam mesmo sido atacados por algo fora deste mundo?
-
Continue lendo...

VEJA TAMBÉM!

 
Copyright © 2016 SAIBA TA NA NET • All Rights Reserved.
Template Design by ORIGINAIS OADM • Powered by Blogger
back to top